sábado, 28 de janeiro de 2017

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Que fazer com os jesuítas? (2)

A revista jesuíta America

promove a homossexualidade

Que terá o jesuíta Bergoglio a dizer sobre o assunto?
«Quem sou eu para julgar?» ?

The Jesuit magazine America carries an editorial in its current issue titled «Unjust Discrimination». The editorial refers to the alleged injustice committed by church officials when they dismiss employees who formally enter into same-gender civil «marriages». The editorial argues that the Church should not automatically dismiss but rather dismiss only when there was an instance of a «grave breach of loyalty» to the Church.

The editors at America make several false claims that need to be highlighted and corrected so as to promote sound Catholic thinking on the topic of homosexuality.

It should be noted at the outset that it is unclear how much the dismissal option for reason of same-gender «marriage» is practiced in the Church. The editorial states, «On the parish level, many married gay employees have been dismissed». But the editorial has no statistics as to the frequency of this kind of dismissal, for which reason the whole editorial could be suspect. But since the editors went ahead with the editorial, this writer goes ahead with this critique.

A Double Standard in Dismissal Policy?

The editorial cites a difference in the exercise of the dismissal option based on Catholic contexts. The likelihood of dismissal is greater for employees of Catholic parishes than for employees in Catholic colleges and universities. The editorial implication is not only that this difference in the likelihood of dismissal is objectionable but also that no Catholic community or institution is served by an inclination to dismiss an employee in a same – gender civil «marriage».

The difference between the parish context and the college context is germane. This difference can illustrate a number of things but it ought not to illustrate — as the article implies — that the Catholic colleges and universities (not a few Jesuit ones!) are enlightened whereas the parishes are not. For example, because they are a smaller context than colleges (i.e., fewer organizational members and far fewer employees), parishes are more profoundly (negatively) impacted by the instance of an employee in a legally sanctioned same-gender «marriage»; the whole context generally knows the employee’s situation in a parish, not so at the college. The potential for one employee giving scandal by his example is greater in a parish than on a more populated college campus. For another example, given the different mission of each institution — that is, the salvific mission of a Catholic parish vs. the educational mission of a Catholic college, any employee in the former context is a more authentic sign of Christ (who came to save, less so to theologize) than a college employee.

Is Dismissal an Example of «Unjust Discrimination»?

The editorial speaks of «homosexual persons», then quotes the Catechism of the Catholic Church that such persons should be «accepted with respect, compassion, and sensitivity», then continues quoting from the Catechism, «Every sign of unjust discrimination in their regard should be avoided» (CCC #2358).

When the Catechism speaks of showing respect, compassion and sensitivity, the Church is speaking of showing this respect etc. to a person as such and not to homosexuality. But the editorial appears not to make this distinction between the person and his homosexuality. It is a salient distinction in this context. In reality, persons are not homosexual — as though there were such a thing as homosexual being. Rather, some persons have homosexual inclinations; that is, they struggle under the influence of impulses toward same-gender sexual activity. In not a few cases, this is actually a struggle with a self-inflicted identity, namely the identification of themselves with their same-sex activity (which is not in keeping with their enduring identity as imago Dei). Accordingly, here the Catechism is calling on Church members to accept and love these persons. This kind of acceptance and love means to view the person as imago Dei; it also means that the Church must be resolute both to lead these persons out of confusion about themselves and to oppose their sinful (homosexual) actions. Moreover, it is never unjust to oppose homosexuality — one’s own or another’s, whether in the form of a thought or a desire or an action. Such opposition can be accomplished without any diminution of the dignity of a human being, even one who is attached to a homosexual («gay») identity.

Are Dismissals Evidence of Selective Morality?

The editorial declares that there is «selectivity» which the Church exercises in applying a «morals clause», implying that this selectivity is insupportable. This is the selectivity of more readily exercising the employee dismissal option regarding those whose wrongdoing is same-gender «marriage» than regarding those whose wrongdoing is divorce and remarriage. The point of the editorial here is two-fold: to oppose this «selectivity» and (2) in the words of German cardinal Rainer Woelki with whom the editors concur, «to limit the consequences [penalty] of remarriage or a same-sex union to the most serious cases».

From another German prelate, Cardinal Joseph Ratzinger, we read, «There are absolutely no grounds for considering homosexual unions to be in any way similar or even remotely analogous to God’s plan for marriage and family». This statement means that a person errs when in his thinking he equates any aspect of a homosexual pairing with the pairing of a man and woman. Why does he err? Because there is no substantial likeness — whether in whole or in part — between these two kinds of pairings. Accordingly, one must make a distinction between homosexual and heterosexual couples. This includes distinguishing between homosexual pairings and heterosexual pairings gone bad, as in any instance of «divorce and remarriage». In such an instance the separation is requisite because homosexuality is always contra naturam (opposed to human nature) whereas divorce and remarriage is contra rationem (opposed to right reason). According to St. Thomas, the former is a matter of greater gravitas since it contradicts human being itself in addition to contradicting Judaeo-Christian morality.

All this (contra naturam and contra rationem) does damage to the individual because the imago Dei within the person is being dismantled (by the person himself). There is also two-fold damage done within society, in view of the offense against marriage in its essential meaning as a man-woman phenomenon; and more particularly within the Church, in view of the offense against a sacrament given by Christ. Thus, the question that fits is not «why the selectivity in the Church’s responses», but rather, «is it ever correct not to exercise the dismissal option regarding an ecclesial employee in a same-gender ‘marriage’»? Absent his renouncing his same-gender «marriage» upon being asked to do so, the answer to the question is clear. To be sure, this person is not being dismissed from membership in the Church; he is (only) being dismissed from working for the Church.

Is the Church Obsessed with Sex?

The editorial asks, «Do morals clauses account for a range of Catholic teaching, or do they give too much attention to an important but narrow range of issues related to sexual morality»? The editorial implication is clear: too much attention is being paid to sexual issues.

In the first place, the issue of same-gender «marriage» is not an exclusively sexual issue. It is that, and then some. The issue is more fundamentally a question of the nature of the human being. It is an anthropological question. (This is «anthropology» in a philosophical not a cultural sense.) What (who) is man as a created being? For what kinds of relational exchanges is he made? What is the given direction of human sexuality? Is human being itself radically distorted by the claims of same-gender sexual advocates? These are real questions nowadays. They are — all of them— implied in matters of human sexual experience. The editorial is glib when it raises the question in the precise form that it does (i.e., «too much attention»?) ….

Vatican Council II convened to reconcile the gap between Church formulations and human experience. In this the Church demonstrated an accurate grasp of «the signs of the times». The signs of the times in the third and fourth centuries of the Church called her to demonstrate a correct understanding of the person of Jesus Christ. The Church responded in the formulations of such figures as Leo the Great and Augustine and Jerome. In the current age the Church faces profound challenges particularly in the western democracies of Europe and the United States regarding a correct understanding of «the Anthropos» (i.e., the human being). A major example of these challenges is the distortion of human nature itself (not to mention society) by advocates of same-gender sex/marriage. In its formulation «too much attention», America magazine could be accused of missing the signs of the times.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

A «revolução de género» da National Geographic:

Péssimo argumento e ideologia preconceituosa

Aceitar as reivindicações da ideologia transgénero requer fechar os olhos
à nossa consciência e escarnecer da «lei escrita no coração»
que os nossos corpos testemunham.

Andrew Walker & Denny Burk, Midiasemmascara,12 de Janeiro de 2017

A edição de Janeiro de 2017 da National Geographic dedica-se a explorar o que chama de «Revolução de Género» – um movimento pós-Revolução Sexual que procura desconstruir entendimentos tradicionais sobre o corpo humano, o dimorfismo sexual masculino-feminino e o género. Num artigo intitulado «Rethinking Gender», Robin Marantz Henig cita as normas de género em evolução como uma justificativa para a Revolução de Género. Mas o argumento de Henig não é apenas inaceitável, é baseado também numa proposta radical sobre a natureza humana que está em desacordo com a lei natural e a antropologia bíblica.

O objectivo deste ensaio não é abordar todas as facetas do género que Henig explora. Em vez disso, o nosso objectivo é resolver alguns dos erros mais flagrantes no artigo. Muitas das críticas abaixo aplicam-se não apenas ao artigo de Henig, mas também aos problemas filosóficos mais amplos inerentes ao movimento transgénero.

Identidade de Género, Confusão de Categorias
e Inconsistência Moral

Primeiro (e mais problemático): Henig não oferece nenhum argumento substantivo para explicar porque a auto-percepção interna da sua «identidade de género» deve determinar o seu sexo ou ter autoridade maior do que o seu sexo biológico. O ensaio oferece testemunhos de pessoas que dizem que a sua identidade de género está em desacordo com o seu sexo biológico. Mas o testemunho não é suficiente. A afirmação de uma reivindicação não demonstra a autenticidade dessa reivindicação. Os leitores não recebem nenhuma explicação de porque devemos considerar as reivindicações de uma identidade de género como realidade, em vez de ser apenas um sentimento subjectivo ou auto-percepção.

Na verdade, este é o cerne da questão que assola o movimento transgénero. Baseia-se não na evidência, mas na ideologia do individualismo expressivo – a ideia de que a identidade é autodeterminada, que se deve viver essa identidade e que todos devem respeitar e afirmar esta identidade, não importa o que ela seja. O individualismo expressivo não requer nenhum argumento moral ou justificação empírica para as suas reivindicações, não importa quão absurdas ou controvertidas possam ser. O transgenerismo não é uma descoberta científica, mas um compromisso ideológico prévio sobre a flexibilidade do género.

Em segundo lugar, Henig comete uma falácia ao ligar as condições intersexuais ao transgénero. Estas são categorias muito diferentes. «Intersexo» é um termo que descreve uma série de condições que afectam o desenvolvimento do sistema reprodutor humano. Estes «distúrbios do desenvolvimento sexual» resultam em anatomia reprodutiva atípica. Algumas pessoas intersexuais nascem com «genitália ambígua», que tornam a determinação do sexo ao nascer muito difícil.

É precisamente neste ponto que a intersexualidade é muito diferente do transgenerismo. Aqueles que se identificam como transgéneros não estão a lidar com ambiguidade sobre o seu sexo biológico.Transgenerismo refere-se à variedade de formas que algumas pessoas sentem que a sua identidade de género está fora da sincronia com o seu sexo biológico. Assim, identidades transgénero são construídas sobre a suposição de que o sexo biológico é conhecido e claro, o que não é o caso da intersexualidade.

Intersexualidade e transgenerismo são maçãs e laranjas, mas não saberia isso lendo o artigo de Henig. Aqueles que estão a forçar a revolução de género têm um interesse em confundir as categorias. Acreditam que pode ser demonstrado que o sexo biológico é um espectro, em vez de um binário, então podem minar o essencialismo de género. Mas as condições intersexuais não refutam o binário sexual. São desvios da norma binária, não o estabelecimento de uma nova norma. Assim, a experiência fisiológica da intersexualidade está numa categoria diferente das construções psicológicas da disforia de género e do transgenerismo. Henig relaciona essas categorias de forma problemática, de modo a colocar a identidade de género e a anomalia médica numa única categoria.

Nessa mesma linha, Henig cita um estudo que relaciona a não-conformidade de género com o autismo. Qualquer conclusão que este estudo pretenda estabelecer, não valida uma suposta identidade transgénero. No máximo, poderia estabelecer uma correlação entre não-conformidades de género e autismo, mas não uma causalidade, nem uma corroboração da ideologia transgénero. Novamente, aceitar que a identidade de género de alguém está em desacordo com o seu sexo biológico não é nada mais do que ideologia sem qualquer verificação ou dados empíricos para apoiar tal afirmação. É metafisicamente impossível verificar a afirmação de que a identidade de género declarada confirma uma compreensão mais precisa do género do que o sexo biológico.

A última página do artigo de Henig comemora a mutilação de crianças menores com uma foto de uma menina de 17 anos sem camisa, que sofreu recentemente uma mastectomia dupla para «transição» para se tornar um menino. Porque os ideólogos transgéneros consideram prejudicial a tentativa de mudar a mente dessa criança, mas consideram que ela está progredindo ao exibir o seu peito nu e mutilado para uma história de capa? Os ideólogos transgéneros como Henig nunca abordam esta contradição ética no coração do seu paradigma. Porque é aceitável alterar cirurgicamente um corpo para torná-lo de acordo com a sua ideia do próprio self, mas intolerância tentar mudar o seu sentido de self para se adequar ao seu corpo? Se é errado tentar mudar a identidade de género (porque é fixa e não se pode mexer porque é danoso), porque seria moralmente aceitável alterar algo tão fixo como a anatomia do aparelho reprodutor de uma criança? Aqui a inconsistência moral do argumento é flagrante.

Ciência fraca e alegações contraditórias

Terceiro, o artigo refere-se obliquamente à «Teoria Cerebral do Sexo» para apoiar a conclusão mais ampla de que as identidades de género expansivas são imutáveis, objectivas e uma expressão autêntica do verdadeiro sexo de uma pessoa. Henig reconhece, com razão, as deficiências da Teoria Cerebral do Sexo, mas, no final, não oferece qualquer sugestão sobre a legitimidade das reivindicações transgénero à luz da inconclusividade dos estudos científicos sobre esta questão.

É por isso que o seu argumento é, em última análise, pouco convincente e problemático: não há consenso científico sobre o que causa o transgenerismo. As teorias cerebrais do sexo são hipóteses, mas Henig escreve como se a revolução que nós estamos a encontrar agora seja boa e mereça ser considerada inquestionável. Se Henig admitisse a falta de certeza em torno do transgenerismo, poria em dúvida a certeza sobre a qual o artigo (e toda a questão) se baseia. Henig não aborda os seus próprios pressupostos, mas admite que as categorias descritas no artigo se baseiam em teorias, não em factos.

Em quarto lugar, além do artigo de Henig, a cobertura da National Geographic é atormentada por reivindicações contraditórias e incoerentes. «A identidade de género e a orientação sexual não podem ser alteradas, mas a forma como as pessoas identificam a sua identidade de género e orientação sexual pode mudar ao longo do tempo, na medida em que descobrem mais sobre si próprios». A primeira metade desta frase afirma a imutabilidade da identidade de género, mas a segunda metade afirma que a autoconsciência das pessoas sobre essas coisas pode mudar ao longo do tempo.

Não há uma contradição aqui quando definimos os nossos termos? A identidade de género não é uma categoria objectiva, mas sim subjectiva. É como se percebe o seu próprio senso de masculinidade ou feminilidade (Yarhouse, pp. 16-17). Se essa percepção é fixa e imutável (como afirma a primeira metade da frase), então é incoerente dizer que a autopercepção possa mudar ao longo do tempo (como afirma a segunda metade da frase). A autopercepção pode mudar ou não mudar. Não pode ser as duas coisas ao mesmo tempo. Esta é uma contradição desconcertante contida dentro de uma única frase, mas parece que o autor não percebe.

Além disso, a afirmação de que as identidades transgénero são igualmente fixas e imutáveis como a orientação sexual, simplesmente não é apoiada por qualquer tipo de consenso científico. De acordo com um importante relatório publicado por Lawrence Mayer e Paul McHugh em The New Atlantis, «Há também pouca evidência de que as questões de identidade de género têm uma alta taxa de persistência em crianças». De facto, cerca de 80% das crianças que vivenciam sentimentos transgéneros conseguem resolver as suas dificuldades sem qualquer intervenção, após a puberdade. Dizer que as identidades transgénero são fixas e imutáveis é simplesmente impreciso.

O que a Justiça Realmente Exige?

Em quinto lugar, toda a questão enquadra a «Revolução do Género» como a próxima fronteira da justiça social. Isso parece extraordinariamente míope dado o ritmo acelerado em que a revolução de género veio para a América. Mas vamos reformular os elementos da discussão que são omitidos do artigo de Henig e da questão geral:

– Porque é que a sociedade deve aceitar uma teoria do género que tem tão pouca adjudicação histórica?

– Porque não se faz perguntas sobre se certos meios são a causa de tais experiências recém-descobertas na história humana?

– Porque não se explora os elementos politizados do transgenerismo que são apoiados por um movimento agressivo LGBT?

– Porque se omite a história da contestação por trás deste movimento – que a compreensão da confusão de género como uma patologia a ser aliviada, ao invés de uma norma a ser abraçada, comum até o passado recente, agora é estigmatizada, se não até apagada da história?

– Porque é a pressa para aceitar a alegação de que alguém é um membro do sexo oposto ao biológico ou não possui nenhum género?

– Porque é que a justiça exige a aceitação de uma medicina que mutila partes funcionantes do corpo em nome da identidade de género?

Henig não reconhece quaisquer vozes dissidentes que questionam a validade das identidades transgénero. O seu artigo – e a revista como um todo – dá por certa a ideia de que a compaixão e a justiça são mediadas apenas através da aceitação das controvertidas teorias nele contidas. Nós rejeitamos isso.

Finalmente, o artigo não aborda as conclusões que se seguem das suas premissas.

Numa legenda, lemos:

Henry foi designado homem no nascimento, mas considera-se «criativo de género». Expressa-se através do seu senso de moda de vestir singular. Os seus pais inscreveram-o no Bay Area Rainbow Day Camp, onde pode encontrar o vocabulário para explicar os seus sentimentos. Aos seis anos de idade, já está muito seguro de quem é.

O título deste artigo é de um radicalismo desenfreado. Nenhum garoto de seis anos tem a certeza do que ele é. A afirmação radical não-julgadora não é uma abordagem saudável para os pais ou uma estratégia de governo viável para a sociedade. Os pais realmente devem suspender toda a forma de julgamento e curvar-se aos caprichos  passageiros dos seus filhos? Esta sujeição estenderia-se a todos os assuntos?

Num ponto, Henig descreve um indivíduo que está a procurar por uma identidade na qual «se sinta bem». Isto é assustadoramente subjectivo e sujeito a auto-reinterpretações sem fim. O que «parece certo» para uma pessoa não indica o caminho para o que é certo. É também um exemplo de porque a revolução de género consiste em «cisternas quebradas que não podem conter água» (Jeremias 2:13). Como ilustra um vídeo muito difundido, tomar a linguagem de «identidade» e «identificar» ao lado de «género» leva a afirmações frívolas e ridículas que na nossa consciência sabemos serem falsas. E, na verdade, isso é o que é mais problemático sobre este artigo: aceitar as alegações contidas nele exige um fechar os olhos para a nossa consciência. Requer fazer zombar da «lei escrita no coração» que os nossos corpos dão testemunho no nosso projecto de design natural. Como este artigo demonstra, não há limites para a revolução sexual e de género, apenas o rastro da carnificina humana que resulta da supressão da verdade.

Henig faz uma admissão surpreendente perto do final de seu ensaio: «A Biologia tem o hábito de se declarar no final». Sobre isso, Henig está certo. A humanidade não pode escapar dos limites inscritos na biologia. É impossível transgredir fronteiras biológicas carimbadas na natureza humana sem as categorias básicas da existência humana se desmantelarem. Se a história de National Geographic diz alguma coisa, ela fala de uma sociedade indo por um caminho de experimentação voluntária que levará à miséria e à negação do telo humano. Na verdade, esse movimento nascido de academias efémeras e mitologias esquerdistas não é mais do que uma barbárie revestida de verdade.

Denny Burk é professor de Estudos Bíblicos na Boyce College e no The Southern Baptist Theological Seminary. Também é presidente do Conselho para a masculinidade bíblica e feminilidade.

Andrew T. Walker é o director de Estudos Políticos da Comissão de Ética e Liberdade Religiosa e estudante de doutorado em Ética Cristã na The Southern Baptist Theological Seminary.

Nota do tradutor, Heitor De Paola:

Embora não seja usual por não corresponderem a palavras dicionarizadas em Português, preferi usar revolução/ideologia transgénero para substituir transgender revolution/ideology. Em alguns casos ficou melhor transgeneralidade ou transgeneralismo.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Que fazer com os jesuítas? (1)

A Ibero (universidade jesuíta no México)

Apoia «casamentos» homossexuais

Jesuítas: uma ordem corrompida moral, teológica e politicamente.

Infocatólica, 19 de Novembro de 2016

La Ibero apoya la campaña a favor
de las uniones homosexuales en México

La Universidad Iberoamericana (UIA), mejor conocida como Ibero, fundada y regentada por la Compañía de Jesús, ha mostrado su apoyo a la campaña «#SíAcepto un México para tod@s», que busca que se apruebe el «matrimonio» homosexual en el país norteamericano.

A continuación, el comunicado «La IBERO da el #SíAcepto al México igualitario» publicado en la web de la Ibero, que se define a sí misma como Centro Universitario Ignaciano:

Como parte de la campaña #SíAcepto un México para tod@s, el Vicerrector de la Universidad Iberoamericana, Alejandro Guevara Sanginés, recibió a nombre de la IBERO el anillo que representa el compromiso y apoyo de esta casa de estudios hacia el matrimonio igualitario.

Esto en el marco del reciente rechazo de la Comisión de Puntos Constitucionales de la Cámara de Diputados a la iniciativa de matrimonios igualitarios, enviada por el presidente Enrique Peña Nieto en mayo pasado.

«En un mundo tan violento, tan desigual, con tan poca esperanza, es importante que como comunidad universitaria demos un testimonio de paz, inclusión, solidaridad y amor. Es por esas razones que sí acepto y agradezco a nombre de nuestro Rector que todos me acompañen en esta causa. Viva la inclusión», aseguró el doctor Guevara, al recibir el anillo de la iniciativa en la explanada central de la IBERO, donde se reunieron decenas de estudiantes y académicos.

En el breve acto, la Iberoamericana se comprometió a aceptar un México para todas y todos, así como una sociedad en la que no tenga cabida la discriminación por género, orientación sexual, origen étnico, nacionalidad ni otros tipos de segregación, y trabajar por un México libre de misoginia, homofobia y transfobia, donde prevalezca el derecho de las familias diversas, a amar libremente y gozar de todos los derechos de la sociedad.

«No podemos esperar a que el Estado cambie el sentido de las cosas. Es nuestra responsabilidad hacernos cargo de nuestro discurso, de nuestros actos y de nuestra vida. Por eso queremos cambiar el paradigma, y desde nuestras voces decir 'sí acepto' un México igualitario, incluyente, y de los jóvenes», declamaron al unísono los participantes.

El texto va acompañado del enlace al vídeo a favor de las unionnes homosexuales publicado en el Facebook de Ibero:


Quanta falsidade científica

no convénio no Vaticano!

Luigi Mariani

Quando si parla di sostenibilità ci si riferisce in genere ai tre aspetti della sostenibilità (ecologica, economica e sociale). A questo immagino si debba ispirare una chiave di lettura realistica dei nostri rapporti con l’ambiente naturale.

Quando ho appreso della conferenza che si terrà in Vaticano fra il 27 febbraio e l’1 marzo e ho letto l’elenco dei partecipanti e la descrizione delle tematiche che ci si propone di affrontare (clicca qui), ho colto un atteggiamento culturale pessimistico e che non tiene in alcun modo conto della prospettiva storica in cui vanno necessariamente inquadrate le attività umane nel loro divenire. In altri termini dal documento preliminare si coglie l’uomo a una sola dimensione, quella di distruttore del creato (estinzioni di massa di specie, uso delle risorse che eccede la capacità del pianeta di rigenerarsi, agricoltura e pastorizia che invadono gli ecosistemi naturali, un numero intollerabilmente elevato di persone al di sotto della soglia di sicurezza alimentare, ecc.).

Vediamo allora di andare in dettaglio ad analizzare alcuni concetti presenti nel documento e che costituiscono a mio avviso delle forzature difficilmente accettabili anzitutto sul piano scientifico ad iniziare dalla frase seguente:

«Circa 30.000 anni fa (i nostri progenitori) avevano già conquistato e ucciso tutte le altre specie umane che avevano raggiunto l’emisfero nord prima di loro».

Questa frase mi ha particolarmente colpito in quanto (lo confesso) ho io stesso nutrito per anni il sospetto di un comportamento assassino delle nostra specie nei confronti degli altri ominidi (Neanderthal in primis) e tuttavia ero parimenti convinto che non vi fossero prove atte a dimostrare tale fenomeno, per cui ho per un attimo pensato (o per meglio dire temuto) che si fossero acquisite evidenze scientifiche del fenomeno stesso. Per sincerarmene ho allora svolto una rapida ricerca bibliografica che mi ha portato a rintracciare il recentissimo lavoro scientifico «Hominin interbreeding and the evolution of human variation» a firma del ricercatore coreano Kwang Hyun Ko dell’Università di Seoul, pubblicato nel 2016 sulla rivista scientifica Journal of Biological Research-Thessaloniki.

Il riassunto di tale lavoro inizia con le seguenti parole: «Se l’Eva mitocondriale conferma la teoria dell’origine africana delle nostra specie, l’evidenza supporta altresì l’incrocio fra Homo sapiens e altri ominidi (Neanderthaliani, Denisovani, e l’Homo heidelbergensis)». In sintesi quanto ci dice questo lavoro è che l’affermazione della nostra specie non è forse frutto di uccisione di altri ominidi ma più semplicemente di incrocio con altre specie pre-esistenti di cui saremmo a tutti gli effetti gli eredi. Mi domando allora perché, a fronte di tali evidenze di incrocio che la genetica porta oggi alla nostra attenzione, il documento preliminare di un’accademia pontificia debba affermare in modo assertivo una teoria tuttora priva di basi robuste, orientando così il dibattito secondo una prospettiva cupa e che ci vede macchiati del sangue dei nostri simili.

Il documento recita poi che:

«L’11% circa delle superfici prive di ghiaccio è destinato alla coltivazione e un ulteriore 20%, che un tempo erano praterie, sono state trasformate in pascoli, la maggior parte dei quali insostenibili».

In sostanza ci si dice che l’agricoltura e la pastorizia sono attività umane in larga misura insostenibile sul piano ecologico. Ma un ritorno a quella che in modo assai parziale si considera sostenibilità sarebbe sostenibile sul piano economico e sociale? A quante morti per fame in più condurrebbe? Si osservi anche che tale frase pone l’agricoltura come qualcosa di negativo mentre essa è un valore assoluto in quanto simbiosi fra l’uomo da una parte ed il regno vegetale ed animale dall’altro, una simbiosi che sta alle radici delle nostra stessa civiltà.

Nel documento si afferma anche che:

«Nel 1970 usavamo circa il 70% della capacità sostenibile del pianeta, oggi ne utilizziamo circa il 156%».

Questa affermazione  è frutto di un indice di sostenibilità messo a punto dalla Global Footprint Network  e che personalmente ritengo profondamente errato perché considera la CO2 emessa in atmosfera come un elemento negativo mentre in realtà è il nutrimento principe per le piante. Naturalmente il fondatore dell’organizzazione che ha messo a punto tale indice è fra i relatori della conferenza.

«Finché le nazioni che stanno notevolmente meglio di altre, e i ricchi del Pianeta, che stanno meglio a prescindere da dove vivano, continuano a prosciugare la produttività delle nazioni povere, sotto forma di energia, legno e combustibile, non vi sarà alcuna possibilità di migliorare la situazione senza adottare in maniera diffusa il concetto di giustizia sociale, sia per una questione di moralità, sia per una questione di sopravvivenza».

Qui mi domando casa significhi in concreto «adottare in maniera diffusa il concetto di giustizia sociale». Significa che dobbiamo aiutare i paesi in via di sviluppo a produrre di più e meglio in modo da raggiungere gli standard (alimentari, sanitari, di energia, istruzione, igiene ecc.) che sono stati da noi raggiungi a prezzo del sacrificio di tante generazioni o significa invece puntare su soluzioni più radicali? Qualcuno dovrebbe riflettere sul fatto che nel 1945 i sottonutriti erano da noi in Italia, in Europa e nei paesi del socialismo reale (in Russia nel 1946 vi fu una carestia con milioni di morti che tristemente rivaleggiò con quella del 1931-33). Prendere esempio da tali casi concreti, ovviamente non mirando alla riproposizione pura e semplice delle strategie di sviluppo del secondo dopoguerra ma considerando anche le tecnologie infinitamente più raffinate di cui oggi disponiamo (in agricoltura, nell’industria, nella sanità, ecc.) sarebbe di grande aiuto per passare dal piano teorico a quello concreto senza  rischiare di naufragare nella demagogia.

Insomma, basta leggere l’introduzione al meeting per porsi tante domande. La perplessità tuttavia aumenta ulteriormente se si riflette sul fatto che nell’introduzione stessa ci si guarda bene dal dire che:

– secondo dati FAO la percentuale di sottonutriti sulla popolazione mondiale è scesa dal 45% del 1945 al 31% del 1971 e all’11% attuale, il che è un risultato di enorme portata e che dovrebbe costituire un elemento su cui riflettere per progettare un futuro di piena sicurezza alimentare

– la superficie sfruttata a fini agricoli è oggi di 1,5 miliardi di ettari ed è stazionaria da circa 50 anni mentre nello stesso periodo la produzione delle principali colture è raddoppiata o triplicata grazie all’innovazione tecnologica nei settori della genetica agraria e delle tecniche colturali (tecniche di lavorazione del suolo, concimazioni, diserbi, trattamenti antiparassitari, ecc.). Questo ha permesso da un lato di salvare innumerevoli vite umane dalla morte per fame e dall’altro di salvare moltissimi ecosistemi naturali che sarebbero altrimenti andati distrutti. Per rendersene conto basta salire sui nostri Appennini e sulle nostre Alpi osservando quante superfici, una volta coltivate con enorme sacrificio dai nostri progenitori, si sono oggi rinaturalizzate. Anche tale elemento dovrebbe costituire un argomento di riflessione in tema di sostenibilità ambientale.

Perché queste evidenze non vengono in alcun modo prese in considerazione nel documento preliminare al meeting? Perché il Vaticano non sfrutta l’enorme patrimonio scientifico costituito dalla Facoltà di agraria dell’Università cattolica del Sacro Cuore? Perché le conoscenze agronomiche vengono oggi del tutto trascurate in nome di una lettura ideologica e che descrive la realtà attuale in termini unicamente catastrofici impedendoci di acquisire strumenti utili a progettare il futuro con il dovuto equilibro e assennatezza? Sono domande che purtroppo mi pongo da tempo e che oggi mi trovo ahimé a ripropormi.

30 cardeais advertem que Amoris Laetitia

enfraquece o casamento

Pete Baklinski, Lifesitenews, 23 de Janeiro de 2017

Faithful Catholics may be surprised to learn that as many as thirty cardinals expressed their reservations to Pope Francis about his Exhortation Amoris Laetitia prior to its April 2016 release.

The thirty cardinals, writing to Francis either individually or in small groups, attempted last year to dissuade the Pope from releasing Amoris. They warned that it would not only weaken the Church's teaching on marriage, but on the Eucharist and confession as well, stated the French publication Le Figaro last August.

The cardinals only submitted their concerns after thoroughly reviewing the text of the exhortation, in accordance with the privilege of their office, Le Figaro reported.

A Vatican source confirmed to the National Catholic Register's Ed Pentin the existence of the letters from the thirty, stating that it was during this time that the Pope began his trend of refusing to respond to concerns raised about his Exhortation.

Amoris Laetitia, coming after the conclusion of the two synods on the family, was supposed to be a document that strengthened Christian families to live their vocation. Instead, however, its ambiguous teachings on crucial moral issues facing families have given liberal bishops license to allow civilly-divorced-and-remarried Catholics living in adultery to receive Holy Communion.

Pastoral guidelines allowing adulterers to receive Holy Communion include those developed by the, Maltese bishops, the Bishop of San Diego, and the Argentina bishops.

Kazakhstan Bishop Athanasius Schneider explained in an interview with LifeSiteNews last July that admitting active adulterers to Holy Communion desecrates three Catholic sacraments.

«Once admitting the divorced and remarried to Holy Communion without [first] demanding of them to live in continence and to not violate their sacramental bonds of marriage — not demanding of them to repent and to make a very serious intention not to sin in the future, and so, dispensing them from this — we are at the same time destroying, desecrating, three sacraments which Christ gave us: the sacrament of penance, the sacrament of Eucharist, and the sacrament of marriage,» he said.

Schneider has criticized pastoral guidelines allowing Catholics who have civilly divorced and remarried, and who are not living in continence, to receive Communion as giving them «permission to not observe...the Sixth Commandment».

Clerics who make such guidelines to appease such sinners are in effect saying that they can «continue in the joy of adultery», he said.

Last week, Schneider, along with two other bishops, launched a «spiritual crusade» calling on Pope Francis to «revoke in an unequivocal manner» pastoral guidelines that undermine the faith.

Pastors who approve of an adulterous union and allow such a couple to receive Communion are complicit in a «continual offense against the sacramental bond of marriage, the nuptial bond between Christ and the Church and the nuptial bond between Christ and the individual soul who receives his Eucharistic Body», the bishops wrote.

Proteja as suas crianças

da falsa ciência homossexualista

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017


Diga à National Geographic que a ideologia de género

causa dano às crianças

National Geographic, ideologia de género é falsa ciência
Assine a petição para enviar

um e-mail à revista National Geographic

A revista National Geographic está usando incorrectamente um garoto de nove anos a fim de promover de forma agressiva a agenda de género para crianças como uma nova regra social.

Se estiver de acordo, assine a nossa petição para dizer aos editores da revista que se 
retratem e parem de promover ciência falsa.

A ideologia de género não é apenas uma falácia, mas também causa danos às crianças. Alguns especialistas consideram-a inclusive como abuso à infância. Foi o que concluíu, um denso estudo realizado pela revista 
The New Athlantics (que pode baixar na página da petição) e a Associação Americana de Pediatras!

Segundo a ideologia de género, ser homem ou mulher é resultado de uma construção social, não de uma adequação ao sexo biológico.

Os seus proponentes alegam que o objectivo é lutar contra o preconceito, mas na verdade pretendem impor a toda a sociedade uma ferramenta de controle social por meio da desconstrução da personalidade.

Esta falácia está a ser promovida por esquerdistas para crianças com até três anos de idade.

Os artigos publicados na National Geographic não passam por nenhum tipo de escrutínio académico sério.De acordo com Susan Goldberg, editora chefe da National Geographic, os cromossomos «XY ou XX não dizem toda a verdade». E ainda sugere que deve ser feita uma «revolução do género».

Assine a nossa petição para pedir que a National Geopraphic pare de disseminar ciência falsa e de promover a agenda revolucionária da esquerda.

Mais uma vez, muito obrigado pela atenção!


Guilherme Ferreira e toda a equipa de CitizenGO

P.S.: Aproveito a ocasião para lhe indicar um importante documentário a respeito da ideologia de género. Chama-se 
O Paradoxo da Igualdade e está disponível com legendas em português no YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=G0J9KZVB9FM. Vale a pena assistir ao documentário para obter informações objectivas sobre o carácter fraudulento da ideologia de género. Depois de ver o filme, não deixe de compartilhá-lo nas redes sociais!

CitizenGO é uma plataforma de participação cidadã 
que trabalha para defender a vida, a família e as liberdades fundamentais em todo o mundo. Para saber mais sobre CitizenGO, clique aqui,ou siga-nos via Facebook ou Twitter.