domingo, 7 de fevereiro de 2016


A lista dos bárbaros «semi»-nazis

do manifesto a favor da eutanásia


Convém saber quem são eles...


Adelino Gomes
Aldina Duarte
Alexandre Quintanilha
Álvaro Beleza
Ana Drago
Ana Gomes
Ana Luísa Amaral
Ana Matos Pires
Ana Zanatti
Anabela Mota Ribeiro
André Freire
António Canastreiro Franco
António Pedro Vasconcelos
António Pinho Vargas
António Sampaio da Nóvoa
Boaventura Sousa Santos
Capicua
Carlos Alberto Moniz
Catarina Portas
Clara Ferreira Alves
Cláudio Torres
Constantino Sakellarides
Cristina Sampaio






















Daniel Oliveira
Diana Andringa
Dulce Salzedas
Elisa Ferreira
Fausto
Fernanda Lapa
Fernando Alves
Fernando Rosas
Fernando Tordo
Francisco Crespo
Francisco George
Francisco Louçã
Francisco Mangas
Francisco Teixeira da Mota
Helder Costa
Helena Roseta
Heloísa Apolónia
Henrique Sousa
Isabel Medina
Isabel Moreira
Isabel Ruivo
Jaime Teixeira Mendes
Joana Lopes
João Goulão
João Lourenço
João Ribeiro Santos
João Semedo
Jorge Espírito Santo
Jorge Leite
Jorge Palma
Jorge Sequeiros
Jorge Torgal






















José A. Carvalho Teixeira
José Gameiro
José Jorge Letria
José Júdice
José Manuel Boavida
José Manuel Mendes
José Manuel Pureza
José Pacheco Pereira
José Vítor Malheiros
Júlio Machado Vaz
Laura Ferreira dos Santos
Lucília Galha
Luís Cília
Luís Filipe Costa
Luís Moita
Machado Caetano
Mamede Carvalho
Manuel Loff
Manuel Luís Goucha
Manuel Pizarro
Maria Antónia Almeida Santos
Maria Filomena Mónica
Maria Irene Ramalho
Maria Teresa Horta
Mariana Mortágua
Mário Crespo
Mário Nogueira
Marisa Matias
Miguel Esteves Cardoso
Miguel Guedes
Nuno Artur Silva
Nuno Saraiva
Octávio Cunha
Olga Roriz






















Paula Teixeira da Cruz
Paulo Magalhães
Pedro Abrunhosa
Pedro Campos
Pedro Ponce
Pilar del Río Saramago
Raquel Freire
Raquel Varela
Ricardo Sá Fernandes
Richard Zimler
Rogério Alves
Rosalvo de Almeida
Rosário Gama
Rui Rio
Rui Tavares
Rui Zink
Sérgio Godinho
Sobrinho Simões
Tatiana Marques
Teresa Pizarro Beleza
Tó Zé Brito
Vasco Lourenço
Viriato Soromenho Marques







Propaganda nazi a favor da eutanásia








Os três porquinhos da barbárie


L. Lemos



Acaba de sair um manifesto a favor da eutanásia, uma das questões «fracturantes» em que a esquerda e a maçonaria mais se empenham.

Quem assina o pasquim?

O que de pior conhecemos da classe política e intelectual em Portugal.

E como se trata dos piores, não poderiam faltar estes três porquinhos, que de simpático nada têm a ver com os da história: Rui Rio, Paula Teixeira da Cruz e Pacheco Pereira.

Todos estes do PSD, partido cuja massa de militantes é civilizada mas que se encontra infiltrado por bárbaros desta natureza. Bárbaros que, com ou sem avental, nada ficam a dever ao principal centro de decadência que é a maçonaria.

Acordem, laranjinhas!






sábado, 6 de fevereiro de 2016


Eutanásia: uma compaixão falsificada


Pedro Afonso

A legalização da eutanásia abre um caminho perigoso, pois há quem defenda, face aos custos crescentes de saúde, que a medicina deve suspender os tratamentos mais onerosos a doentes idosos e incuráveis

A eutanásia corresponde ao acto de provocar deliberadamente a morte a um doente incurável para que, através deste «acto piedoso», se ponha fim ao seu sofrimento. Numa altura em que a Assembleia da República se prepara para discutir a legalização da eutanásia, justifica-se um debate sobre este tema.

Um dos argumentos utilizados para a legalização da eutanásia é que estas pessoas têm o direito a uma morte digna, o que não passa de um eufemismo maniqueísta, como se a morte daqueles que decidem de forma corajosa enfrentar os inúmeros sofrimentos e provações que lhes acarreta a doença fosse uma morte indigna.

Uma outra ideia errada dos defensores da eutanásia é a de que o nosso corpo é nosso, logo quando esse corpo é acometido de uma doença incurável, a decisão de viver ou morrer também é nossa. Ora, ninguém é o senhor absoluto de si, pois ninguém vive para si mesmo, e quando alguém morre não morre apenas para si mesmo.

Neste debate, os defensores da eutanásia partem de um pressuposto errado: a vida humana não tem sempre o mesmo valor, já que desde que afectada pelo sofrimento associado a uma doença incurável, transforma-se numa vida indigna e prescindível. Curiosamente, esta foi a mesma justificação utilizada pelos nazis para aplicarem o seu programa de eugenismo e eutanásia, designado por Aktion T4, durante o qual os médicos nazis assassinaram milhares de doentes considerados como «incuráveis».


A legalização da eutanásia conduz a um caminho perigoso, pois há quem defenda, perante os custos crescentes de saúde, que a medicina deveria suspender os tratamentos mais onerosos a alguns indivíduos (provavelmente começando-se pelos idosos, doentes incuráveis, etc.), concedendo-lhes uma morte abreviada. Por detrás desta aparente morte misericordiosa, há o risco de surgirem interesses economicistas, pois o Estado vê-se livre destes encargos de saúde.

A depressão tem uma prevalência elevada ao longo da vida. Esta patologia pode ser crónica, causando um sofrimento duradouro para o doente, e nas formas mais graves é por vezes acompanhada por ideação suicida. Se a eutanásia for legalizada, significa que se abre a porta ao suicídio assistido. Afinal porque é que há-de ser diferente uma doença física incurável de uma doença psiquiátrica incurável? Não será o sofrimento psíquico — muitas vezes mais doloroso e insuportável do que o sofrimento físico — um motivo legítimo para se respeitar a vontade do doente ao suicídio assistido? Porque é que este pedido de morte há-de ter menos valor? A eutanásia aplicada às doenças psiquiátricas pode abrir a porta ao suicídio assistido de milhares de indivíduos no nosso país que sofrem de depressão, havendo o risco de uma parte significativa da população se suicidar de forma legal. Mas será que uma pessoa com depressão estará em condições de exprimir a sua vontade de uma forma livre?

Presume-se que os agentes da eutanásia sejam médicos. Mas a condição de ser médico entra em contradição com o acto de cometer uma morte a um doente, ainda que a pedido deste e com o aval legal do Estado. A tradição hipocrática obriga a que o médico esteja sempre do lado da vida, pelo que a um médico não se pode pedir que, conforme o desejo do doente, alterne entre a posição de alguém que tudo fará para que nós possamos continuar a viver, para alguém que afinal nos vai ajudar a morrer. Esta contradição prejudicaria de forma gravíssima a confiança inabalável que se deve depositar nos médicos.


A eutanásia é um mal que contradiz a própria ética médica, porque se opõe ao dever do médico de permanecer ao lado da vida, respeitando-a e procurando preservá-la em todas as condições. A eutanásia trata-se, na verdade, de uma compaixão falsificada. As súplicas dos doentes graves e deprimidos que pedem a morte são na esmagadora maioria dos casos pedidos de ajuda, pedidos de afecto e de consolo. Todos os dias os médicos escutam estas palavras de desespero, e todos os dias respondem com palavras de ânimo e de conforto. Esta é a luta diária daqueles que prestam cuidados de saúde; a luta contra a doença e o sofrimento, preservando a vida. A morte não deve ser abreviada, mas antes humanizada, garantindo-se os cuidados de saúde necessários, nomeadamente o alívio do sofrimento através dos cuidados paliativos.

Felizmente, somos testemunhas em muitos casos de que as suplicas desesperadas de uma morte piedosa se transformam em palavras de agradecimento e de apego à vida. Estou convicto de que muitos dos meus colegas já passaram por isso, e na minha opinião não há maior realização para um médico do que ouvir dos seus doentes estas palavras; não há maior alegria para um médico ou enfermeiro do que presenciar o rosto luminoso agradecido de um doente, depois de termos posto generosamente ao seu serviço a nossa arte, e a nossa sabedoria. Esta é afinal a verdadeira compaixão.





segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016


Uma experiência chamada Portugal


Alberto Gonçalves, Diário de Notícias, 31 de Janeiro de 2016

Se bem percebi, o alegado governo que nos caiu em cima enviou à Comissão Europeia um rascunho do Orçamento do Estado, o qual, segundo quem sabe do assunto, ganharia em ter sido produzido por dois cangurus munidos de uma «folha» de Excel. A CE, horrorizada com tamanho caldo de inépcia, trafulhice, alucinação e certificada desgraça, devolveu o papel acompanhado de uma carta que se esforça por manter a polidez protocolar embora não esconda certa falta de paciência para as artimanhas de burgessos.

O dr. Costa e os serviçais do governo reagiram através da desvalorização da carta, até porque, garantiam eles, as objecções da CE prendem-se com ligeirezas técnicas e, por favor não se engasguem, «não têm relevância política». Em simultâneo, um teórico do «costismo» (o equivalente em sofisticação ao atendedor de chamadas do professor Bambo) acusou a CE de «tentar tramar o governo português». A acreditar nos socialistas, o Conselho Económico e Social, o Conselho das Finanças Públicas, a Unidade Técnica de Apoio Orçamental, quatro agências de rating, a UEFA e um vizinho meu também aderiram à conspiração.

No que toca aos partidos comunistas que de facto mandam no circo, e que nem com a queda do muro aproveitaram para fugir do hospício, instigam o dr. Costa a enfrentar a «Europa dos interesses» com, engasguem-se à vontade, firmeza. Catarina Martins avisa que a CE «está a assaltar-nos», mas na verdade o arranjinho que a dra. Catarina integra é que o fez em Outubro – e agora julgasse ser igualmente fácil assaltar os contribuintes alemães. Para distinguir o PCP do Bloco, o sr. Jerónimo repete a lengalenga do Bloco.

De seguida, o dr. Costa, cuja fluência na própria língua de facto levanta interrogações acerca da comunicação com estrangeiros, voltou à carga com redobrado delírio, mais a consideração de que as previsões do governo são «conservadoras e realistas» e a denúncia de que Passos Coelho – o «senhor primeiro-ministro», nas palavras do alegado – enganou Bruxelas.

Entretanto, há infelizes que com as melhores intenções vão à televisão comentar a «situação» como se a «situação» merecesse comentários. É, evidentemente, uma trabalheira inglória: nada que saia das infantis cabeças que nos governam (força de expressão) exibe um pingo de racionalidade e pode ser levado a sério. Séria só a desgraça em que concorrem para nos deixar, de que eles escaparão com típica impunidade. E que nós pagaremos com típica resignação e, desconfio, sofrimento inédito. Portugal é hoje uma experiência, à escala real, para averiguar quanto tempo um país resiste nas mãos de transtornados. Eis uma previsão conservadora e realista: pouco.





quinta-feira, 28 de janeiro de 2016


O mérito do maçon:

recuar perante a ilegalidade do seu decreto


L. Lemos

Francisco Sarsfield Cabral é um dos que aparece aí a elogiar Almeida Santos, isto é, a escrever a história recente de Portugal à sua maneira. Escreve ele (http://rr.sapo.pt/artigo/44679/almeida_santos_e_a_rr):


ALMEIDA SANTOS E A RR

Francisco Sarsfield Cabral RR 20 Jan, 2016

Vale a pena recordar a intervenção de Almeida Santos no final de 1975 para entregar a RR à sua legítima proprietária, a Igreja Católica, após a ocupação por elementos de extrema-esquerda.

Ao longo dos 40 anos de democracia representativa em Portugal, o Dr. Almeida Santos teve um papel importante, embora muitas vezes pouco conhecido.

Vale a pena recordar a intervenção de Almeida Santos, no final de 1975, para entregar a RR à sua legítima proprietária, a Igreja Católica, após a ocupação por elementos de extrema-esquerda. O episódio é relatado no volume I do livro do Eng. Fernando Magalhães Crespo Os Meus 31 Anos na Rádio Renascença (Ed. Principia).

O Dr. Almeida Santos, então ministro da Comunicação Social, convocou o Conselho de Gerência da RR para uma reunião, quatro dias após o 25 de Novembro de 1975. Aí, o ministro comunicou a dois gestores da RR, o Eng. Magalhães Crespo e o Dr. Torgal Ferreira, a decisão do Governo de nacionalizar todas as rádios privadas. Ora, estes gestores fizeram ver ao Dr. Almeida Santos que, no caso da RR, a nacionalização iria contra a Concordata com a Santa Sé, além de outras objecções.

Almeida Santos compreendeu os argumentos dos gestores da RR. E introduziu uma ressalva para a RR na lei que já estava redigida e foi aprovada em Conselho de Ministros, três dias depois. Inteligência e capacidade de decisão.

Com o seu Grão-Mestre.
A cruz como cenário.

Daqui se conclui que o grande mérito de Almeida Santos foi recuar no seu desejo afonsino costista de calar a RR, pois, se o fizesse, estaria a violar um tratado internacional.

Estes católicos da capela do Rato são o máximo!

Independentemente de Almeida Santos ser uma pessoa cordial — que reconheço —, era um maçon anti-Igreja, como se vê pela sua pretensão.  Agia como tal, desempenhando o papel que a doutrina maçónica recomenda.

Eu gostaria de ver, a propósito da morte de Almeida Santos, da parte da Igreja, uma clarificação da questão maçónica (desde que não seja o bispo Carlos Azevedo a redigir a clarificação...). Mas ainda está a tempo...





terça-feira, 26 de janeiro de 2016


A guerra secreta de Pio XII contra Hitler


George J. Marlin
Há muitos anos – pelo menos desde o teatro de 1963 de Rolf Hochhuth «O Deputado – que o mundo tem aturado a conversa de que Pio XII foi o «Papa de Hitler». Há décadas que pessoas bem informadas suspeitam que isso se trata de uma distorção deliberada, mas agora temos a certeza, sem margem para dúvidas, de que tais acusações não só estavam erradas como são precisamente o oposto da verdade.

Quando o Cardeal Eugenio Pacelli se tornou Pio XII, em 1939, o chefe das SS, Heinrich Himmler, ordenou a Albert Hartl, um padre laicizado, que preparasse um dossier sobre o novo Papa. Hartl documentou como Pacelli tinha usado a Concordata que tinha negociado com o Governo de Hitler em 1933 de forma vantajosa para a Igreja, fazendo pelo menos 55 queixas formais por violações da mesma.

Pacelli também acusou o Estado nazi de conspirar para exterminar a Igreja e «convocou todo o mundo para lutar contra o Reich». Pior, pregava a igualdade racial, condenava a «superstição do sangue e da raça» e rejeitou o anti-semitismo. Citando um oficial das SS, Hartl concluiu a sua análise dizendo «a questão não é saber se o novo Papa vai lutar contra Hitler, mas sim como».

Entretanto, Pio XII estava a reunir-se com cardeais alemães e a discutir o problema de Hitler. As transcrições mostram que ele se queixou que «os Nazis tinham frustrado os ensinamentos da Igreja, banido as suas organizações, censurado a sua imprensa, fechado os seminários, confiscado as suas propriedades, despedido os professores e fechado as escolas». Citou um oficial nazi que gabou que «depois de derrotar o bolchevismo e o judaísmo, a Igreja Católica será o único inimigo restante».

O Cardeal Michael von Faulhaber, de Munique, retorquiu que os problemas tinham começado depois da encíclica de 1937 «Com Grande Ansiedade» (Mit Brennender Sorge, publicada em alemão e não em latim). O texto, escrito em parte por Pacelli antes de este se ter tornado Papa, enfureceu o Hitler. O Papa disse a Faulhaber, «a questão alemã é a mais importante para mim. O seu tratamento está reservado directamente para mim… Não podemos abdicar dos nossos princípios… Quando tivermos tentado tudo, e ainda assim eles quiserem absolutamente a guerra, lutaremos… Se eles recusarem, então teremos de lutar».

Faulhaber recomendou «intercessão de bastidores». Propôs que os bispos alemães encontrassem «uma forma de fazer chegar a Sua Santidade informação precisa e actualizada.» O Cardeal Adolf Bertram acrescentou que «é preciso fazê-lo de forma clandestina. Quando São Paulo se fez descer num cesto das muralhas de Damasco, também não contava com a autorização da polícia local». O Papa concordou.

Assim nasceu o plano para construir uma rede de espionagem que apoiaria, entre outras coisas, planos para assassinar Hitler.

No seu interessantíssimo livro «Church of Spies: The Pope’s Secret War Against Hitler», Mark Riebling recorre a documentos do Vaticano e actas secretas acabadas de divulgar que descrevem detalhadamente as tácticas clandestinas usadas por Pio XII para tentar derrubar o regime nazi.

Depois de Hitler ter invadido a Polónia em 1939 o Papa reagiu aos relatos de atrocidades contra judeus e católicos. A sua encíclica «Summi Pontificatus» rejeitou o racismo, dizendo que a raça humana está unificada em Deus. E condenou também os ataques ao judaísmo.

O Papa foi amplamente louvado por isto – um título do New York Times dizia «Papa condena ditadores, violações de tratados, racismo» – mas ele próprio sentia que era pouco.

Convencido de que o regime nazi cumpria os requisitos para justificar o tiranicídio, conforme os ensinamentos da Igreja, Pio XII permitiu aos jesuítas e aos dominicanos, que respondiam directamente a ele, que colaborassem com acções clandestinas. O seu principal agente – a quem os nazis se referiam como «o melhor agente dos serviços de informação do Vaticano» – era um tal Josef Muller, advogado e herói da Primeira Guerra Mundial.

Muller organizou uma rede de «amigos das forças armadas, escola e faculdade, com acesso a oficiais nazis e que trabalhavam em jornais, bancos e até mesmo nas SS». Eles forneciam o Vaticano com informação vital, incluindo planos de batalha que eram depois passados aos aliados. Em 1942 Muller conseguiu introduzir Dietrich Bonhoeffer no Vaticano para planear uma estratégia cujo objectivo era «fazer as pontes entre grupos de diferentes religiões, para que os cristãos pudessem coordenar a sua luta contra Hitler».

As tentativas de assassinato de Hitler falharam todas, devido ao que Muller apelidou de «sorte do diabo». Mas em relação a estes planos, Riebling comenta: «Todos os caminhos vão de facto dar a Roma, a uma secretária com um simples crucifixo, com vista sobre as fontes da Praça de São Pedro».

Depois do falhanço do plano Valquíria a Gestapo prendeu Muller. Descobriram uma nota escrita em papel timbrado do Vaticano por um dos assistentes de topo do Papa, o padre Leiber, que dizia que «Pio XII garante uma paz justa em troca da ‘eliminação de Hitler’».

Muller foi enviado para Buchenwald. No dia 4 de Abril de 1945, juntamente com Bonhoeffer, foi transferido para Flossenburg. Depois de um julgamento fantoche foram condenados à morte.

Bonhoeffer foi imediatamente executado. Mas temendo a aproximação de forças americanas, as SS transferiram Muller e outros reclusos para Dachau, depois para a Áustria e, finalmente, para o Norte de Itália. Foram então libertados pelo 15.º Exército dos EUA.

Agentes dos serviços de informação dos EUA levaram Muller para o Vaticano. Quando o viu, o Papa abraçou-o e disse que se sentia «como se o próprio filho tivesse regressado de uma situação de grande perigo».

Riebling revela que durante a visita de Muller ao Vaticano o diplomata americano Harold Tillman perguntou porque é que Pio XII não tinha sido mais interventivo durante a guerra.

Muller disse que durante a guerra a sua organização anti-Nazi na Alemanha tinha insistido muito que o Papa evitasse fazer afirmações públicas dirigidas especificamente aos nazis e condenando-os, tendo recomendado que as afirmações públicas do Papa se confinassem a generalidades (…) Se o Papa tivesse sido específico os alemães tê-lo-iam acusado de ceder às pressões das potências estrangeiras e isso teria colocado os católicos alemães ainda mais na mira dos nazis do que já estavam, tendo restringido imensamente a sua liberdade de acção na resistência ao regime. O Dr. Muller disse que a política da resistência católica no interior da Alemanha era de que o Papa se colocasse nas margens enquanto a hierarquia alemã levasse a cabo a luta contra os nazis. Disse ainda que o Papa tinha seguido sempre este seu conselho durante a guerra.

Graças à pesquisa incansável de Riebling, agora podemos finalmente descartar as alegações absurdas sobre Pio XII. Ele não era o «Papa de Hitler», era o seu nemesis.





domingo, 24 de janeiro de 2016


Adolfo Mesquita Nunes: um CDS à Bloco


L. Lemos


Adolfo Mesquita Nunes, que agora aparece muito nas televisões, é um deputado CDS que vota à Bloco de Esquerda, a favor do lóbi dos invertidos.

Democrata-cristão? Ah, ah, ah...

Mais uma infiltração dos invertidos nos partidos geralmente considerados de direita e de bons costumes.

Fixem o nome e as trombas do bicho. Deste e dos ditos «democratas-cristãos» Adolfo Mesquita Nunes, Ana Rita Bessa, Francisco Mendes da Silva, João Rebelo, Teresa Caeiro e a nova chefe dos defensores do gangue dos invertidos no interior do CDS Assunção Cristas.





sexta-feira, 22 de janeiro de 2016


Cardeal Ravasi, fã do satânico David Bowie


L. Lemos

Enquanto os cristãos informados e não «Maria vai com as outras» recordam que David Bowie praticava o ocultimo, o satanismo, apoiava o homossexualismo e ele próprio tocava para os dois lados, temos, nada mais, nada menos, a secção de cultura do Osservatori Romano, jornal oficial do Vaticano, da responsabilidade do «general» da cultura da Igreja (Presidente da Pontifícia Comissão para a Cultura), cardeal Ravasi, a elogiar a contra-cultura do indivíduo.

O próprio Ravasi lhe prestou pessoalmente homenagem no seu twitter dando grande relevo à «espiritualidade» (afinal ocultismo e satanismo!), ilustrando o texto com a imagem ocultista acima e reproduzindo uma parte de uma das suas canções:

É assim, pela pena do maçónico Ravasi, que o Vaticano guia os cristãos na área da cultura e da espiritualidade...  Olha que modelos de vida o sinistro Ravasi aponta à juventude! Para mais informação sobre o homenageado de Ravasi, basta procurar no Google «David Bowie» + satan. Pode nomeadamente ver: http://nuevoordenmundialreptiliano.blogspot.pt/2016/01/david-bowie-su-muerte-culto-lucifer.html.











quarta-feira, 20 de janeiro de 2016


Os 30 desavergonhados do PSD e do PS

que querem mamar a vida inteira


José Lemos

O DN acaba de divulgar a lista dos 30 deputados-chulos que requereram ao «Tribunal Constitucional» a reposição das suas benesses vitalícias, aliás imoralmente apenas suspensas. Os parceiros da corporação chamada «Tribunal Constitucional», corporação de privilegiados obviamente a extinguir numa república a sério, aprovou a súplica dos pobres. Hoje decidimos para vocês, instituímos o princípio, e portanto amanhã será para nós... Tudo em família.


OS 9 CHULOS DO PSD

Arménio Santos
Carlos Costa Neves
Correia de Jesus
Couto dos Santos
Francisco Gomes
Guilherme Silva
Hugo Velosa
João Bosco Mota Amaral    
Joaquim Ponte

OS 21 CHULOS DO PS

Alberto Costa
Alberto Martins
Ana Paula Vitorino
André Figueiredo
António Braga
Celeste Correia
Fernando Serrasqueiro
Idália Serrão
João Barroso Soares
Jorge Lacão
José Junqueiro
José Lello
José Magalhães
Laurentino Dias
Maria de Belém Roseira
Miguel Coelho
Paulo Campos
Renato Sampaio
Rosa Maria Albernaz
Sérgio Sousa Pinto
Vitalino Canas