quarta-feira, 25 de maio de 2016


As manobras maçónicas para a «religião universal»


Luís Lemos


Em Berlim, a maçonaria pretende construir um edifício a que chama a primeira sinagoga-mesquita-igreja do mundo. Por detrás do palavreado de «paz» e «harmonia» entre as religiões esconde-se o plano mundialista de diluição do cristianismo numa religião pagã mundial, isto obedecendo ao plano geral maçónico de domínio do mundo.

Da parte dita cristã, o colaboracionista, o palhaço dito cristão ao serviço do plano, é o pastor protestante Hohberg.

Muita pena deve ter Bergoglio de as coisas ainda não estarem suficientemente maduras para ser ele próprio a participar na palhaçada!

Pastor Hohberg, rabino Ben Chorin e imame Sanci.

Pormenores podem ser vistos em: http://www.fastcoexist.com/3054043/berlin-is-trying-to-build-the-worlds-first-combined-mosque-synagogue-church/2




sexta-feira, 13 de maio de 2016


Escola pública e privada ou...

...o novo «Principezinho»...


Heduíno Gomes

Fala-se muito e elogia-se o facto de um príncipe da Dinamarca frequentar uma escola pública.

Partamos do princípio de que qualquer personalidade de topo do Estado deve ter segurança e protecção especial — princípio com que estou de acordo. E um príncipe está nesse rol...

Agora aqui começa o problema ou problemas...

>>> Primeiro. Se os responsáveis do Estado monárquico não protegem devidamente e não cuidam da segurança de um seu príncipe, são irresponsáveis, demagogos e populistas. Incoerentes.

>>> Segundo. A educação de um príncipe, para que este o venha a ser verdadeiramente, segundo os princípios monárquicos, terá de ter uma educação especial. Os monárquicos — bem ou mal — justificam a monarquia dizendo que o príncipe «é preparado» para a função real... Não basta nascer... É preciso ser «preparado»... Ora bem... Será que as escolas normais preparam príncipes para a função?... Se não, os responsáveis do Estado monárquico são incoerentes.

>>> Terceiro. E aqui falo como alguém que coloca os valores da Civilização, nomeadamente a família natural, acima da questão de regime republicano ou monárquico...

Que género de pessoas constituem a família real dinamarquesa? É realmente famíla real ou família banal, no mau sentido? É gente que defende os valores da Civilização, nomeadamente a família natural? Nada disso. Alinha na decadência do modernismo. Como aliás a generalidade das famílias reais que ainda subsistem.

Por isso, os membros dessa família decadente dinamarquesa merecerão alguma protecção especial?

Por isso, a preparação de um príncipe por essa família decadente terá algum valor?


VER:

http://maislusitania.blogspot.pt/2014/04/republica-inglesa.html



segunda-feira, 9 de maio de 2016


Professor Martelo


João Pereira Coutinho, Correio da Manhã, 8 de Maio de 2016

Entendo as razões dos defensores do acordo ortográfico. Também entendo as razões pelas quais uma criatura acredita que é Napoleão Bonaparte. Mais difícil de compreender é o motivo que leva uma classe política inteira a seguir com respeito Napoleão Bonaparte. O problema do acordo nem sequer é técnico ou jurídico. Isso é óbvio: qualquer um sabe que aquilo é uma aberração linguística (a grafia como mera transcrição fonética?) e uma ilegalidade completa (lembrar as acrobacias jurídicas que se fizeram sobre o texto original). Sem falar da ambição autoritária de submeter 300 milhões de falantes a um capricho racionalista. O problema do acordo é termos tido vários governos que, reverentes e analfabetos, foram ratificando, modificando e legislando como se o acordo fosse mesmo para levar a sério. Se Marcelo ajudar a acabar com esta farsa, a sua Presidência já terá valido a pena.






domingo, 8 de maio de 2016


Quem era realmente «o papa bom» João XXIII

João XXIII — Os seus escândalos e heresias


Ir. Miguel Dimond, O.S.B., e Ir. Pedro Dimond, O.S.B.

(Extractos)


Yves Marsaudon, maçom de grau 33 do Rito Escocês:

«O senso de universalidade que predomina em Roma nestes dias é muito próximo ao nosso propósito de existência… de todo o coração auguramos que a revolução de João XXIII continue.»[1]


Angelo Roncalli (João XXIII) nasceu em 1881 e ocupou cargos diplomáticos na Bulgária, Turquia e França. Roncalli foi também «patriarca» de Veneza.


ALGUMAS DAS ACTIVIDADES DE JOÃO XXIII

ANTES DE SUA «ELEIÇÃO AO PAPADO» EM 1958

Durante anos, o Santo Ofício manteve um arquivo sobre Angelo Roncalli (João XXIII) que dizia: «suspeito de modernismo.» O arquivo remonta ao ano de 1925, quando Roncalli, que era conhecido pelos seus ensinamentos heterodoxos, foi removido da sua cátedra no Seminário de Latrão a meio do semestre (foi acusado de modernismo) e enviado para a Bulgária.

Esta transferência para a Bulgária deu inicio à sua carreira diplomática. De particular preocupação para Roma foi a permanente e próxima relação de Roncalli com o destituído sacerdote Ernesto Buonaiuti, que foi excomungado por heresia em 1926.[2] 

Em 1935, Angelo Roncalli viajou à Turquia. Aí, Roncalli afirmou: «Vós, irlandeses, sois impossíveis. No momento em que vindes ao mundo, até antes de serdes baptizados, começais a condenar todos os que não pertencem à Igreja, especialmente os protestantes!»[6] 

Aqui há outra citação que demonstra a visão herética de Roncalli: «A facção extrema anticatólica da Igreja Ortodoxa Grega anunciou com júbilo um acordo com a Igreja de Inglaterra pela qual cada uma reconhece a validez das sagradas ordens da outra. Mas Roncalli estava genuinamente contente. Aos gregos, que sorrateiramente lhe perguntaram sobre o que pensava do acordo, ele respondeu com sinceridade, ‘Não tenho nada senão elogios aos nossos irmãos separados pelo seu zelo em dar um passo em direcção à união de todos os cristãos.’»[7] 


Desmond O’Grady, ex-correspondente do Washington Post no Vaticano, relatou que, durante a sua permanência em Istanbul em 1944, Roncalli «deu um sermão sobre um concílio que se celebraria no período pós-guerra.»[
8]


Quando Roncalli foi núncio em França, foi nomeado observador da Santa Sé na agência cultural das Nações Unidas, UNESCO. Em Julho de 1951, ele fez um discurso «elogiando prodigamente a UNESCO…»[
9]


Roncalli tratou a UNESCO de «grande organização internacional...»[10]


Quando Angelo Roncalli foi núncio em França, nomeou um maçom de grau 33 e amigo íntimo, o barão Yves Marsaudon, como chefe da divisão francesa dos Cavaleiros da Malta, uma ordem laica católica.[11] 


TESTEMUNHOS QUE INDICAM QUE JOÃO XXIII ERA MAÇOM

Yves Marsaudon, o maçom e autor francês anteriormente mencionado, também afirma que Roncalli (João XXIII) tornou-se um maçom de grau 33 quando era núncio em França. Mary Ball Martínez escreveu que guardas republicanos franceses observaram dos seus postos: «… o núncio [Roncali] vestido à civil, saindo de sua residência para assistir às reuniões noturnas de quinta-feira do Grande Oriente de França [loja maçónica]. Ao passo que a exposição a tal dramático conflito de lealdades poria o homem comum em estado de nervos, fosse ele católico ou maçom, Angelo Roncalli parece tê-la encarado com naturalidade.»[12]

A revista 30 Dias (30 Giorni) também realizou uma entrevista há vários anos com o líder da maçonaria italiana. O Grão-Mestre do Grande Oriente de Itália declarou: «Quanto a isso, parece que João XXIII foi iniciado [numa loja maçónica] em Paris, e participou nos trabalhos das Lojas em Istambul.»[13]


Quando João XXIII foi elevado a «Cardeal», ele insistiu em receber o seu chapéu de cardeal do ateu socialista e manifesto anticlerical Vincent Auriol, Presidente da República de França, o qual Roncalli descreveu como «um socialista honesto.»[15]


Roncalli ajoelhou-se perante Auriol, e Auriol colocou o barrete de cardeal sobre a cabeça de Roncalli. Auriol pendurou uma «extensa fita vermelha ao redor do pescoço do cardeal, abraçando-o com um pequeno apertão que imprimiu uma intimidade calorosa ao protocolo formal.»[16]  Auriol teve de enxugar as suas lágrimas com um lenço quando Roncalli se retirou para assumir a sua nova dignidade de «cardeal.»[17] 

João XXIII também era conhecido como um «bom amigo e confidente» de Edouard Herriot, secretário dos radicais socialistas anticatólicos de França.[18] «Talvez o melhor amigo de Roncalli tenha sido o velho e afamado socialista e anticlerical Edouard Herriot.»[19]


Antes de ter deixado Paris, Roncalli organizou um jantar de despedida para os seus amigos. Entre os convidados incluiam-se políticos de direita, de esquerda e de centro, unidos nesta ocasião pelo seu afecto para com o genial anfitrião.[20]

Quando Roncalli foi «cardeal» de Veneza, não deu motivos para que os comunistas o criticassem. Os habituais insultos anti-clericais deram lugar a um silêncio que transparecia respeito.21 Durante a sua estadia em Veneza, Roncalli «exortou os fiéis a acolher os socialistas de toda Itália, que celebravam a sua trigésima segunda reunião» em Veneza.[22]
O patriarca (João XXIII) mandou que se colocassem nas paredes de Veneza inteira avisos sobre a abertura da trigésima segunda reunião do Congresso do Partido Socialista de Itália (PSI) em Fevereiro de 1957. Os anúncios diziam: «Acolho a excepcional magnitude deste evento, que é tão importante para o futuro do nosso país.»[23]

Papa Pio XI, Quadragesimo ano, #120, 15 de Maio de 1931: «Ninguém pode ser ao mesmo tempo um bom católico e um verdadeiro socialista.»[24] 

Falando certa vez na Câmara Municipal de Veneza, Roncalli disse:

«… alegro-me de aqui estar, embora talvez havendo alguns aqui presentes que não se consideram cristãos, mas que podem ser reconhecidos como tais pelas suas boas obras.»[25] 


AS ACTIVIDADES DE JOÃO XXIII

E AS DECLARAÇÕES APÓS TER SIDO ELEITO «PAPA» EM 1958

Pouco tempo após ter sido eleito e mudado para o Vaticano, João XXIII encontrou uma antiga estátua de Hipólito, um antipapa do século III. Ele mandou restaurá-la e colocá-la na entrada da Biblioteca do Vaticano.[26]


Rostos decepcionados surgiram por toda parte na Praça de São Pedro quando João XXIII deu a sua primeira bênção papal pois ele mal levantou os braços. O seu sinal da cruz se afigurou aos romanos como um gesto deplorável, pois pareceu que movia os pulsos a nível da cintura.[27] 

«João XXIII disse que se sentia inibido quando era tratado por ‘Sua Santidade’ [ou] ‘Santo Padre’…»
[28]

«Durante muito tempo, João XXIII disse ‘eu’ ao invés de ‘nós’ nas suas conversações oficiais. É suposto que os papas usem ‘nós’ e ‘nos’ pelo menos nas ocasiões oficiais.»[29]

Quando João XXIII publicou uma encíclica acerca da penitência, nenhum jejum foi proclamado, nem mesmo um dia de abstinência obrigatória de comida ou prazeres seculares.[30]

João XXIII disse de si mesmo: «Sou o Papa que tem o pé sempre no acelerador.»[31]

O pai de João XXIII era um viticultor. Falando de seu pai, João XXIII disse:

«Há apenas três maneiras de um homem arruinar a sua vida: mulheres, jogo a dinheiro, e... agricultura. O meu pai escolheu o mais aborrecido dos três.»[
32] 

JOÃO XXIII SOBRE OS HEREGES, CISMÁTICOS E NÃO-CATÓLICOS

João XXIII descreveu com estas palavras o que ele considerava que deveria ser a atitude do Segundo Concílio do Vaticano em relação às seitas não-católicas: «Não temos a intenção de realizar um julgamento do passado. Nós não queremos mostrar quem estava certo e quem estava errado. Tudo o que queremos dizer é, ‘Unamo-nos; ponhamos termo às nossas divisões.’»[33] As suas instruções ao «cardeal» Bea, chefe do Secretariado do Concílio para a União dos Cristãos, foram as seguintes: «Temos que pôr de lado, por agora, aqueles elementos que nos diferenciam.»[34]

Numa determinada altura, «um congressista, inesperadamente, disse de forma bruta: ‘Sou baptista.’ João XXIII disse com um sorriso: ‘Bem, eu sou João.’»[35] João XXIII disse ao não-católico Roger Schutz, fundador da comunidade ecuménica de Taizé (um mosteiro ecuménico não-católico): «Vós estais na Igreja, ficai em paz.» Schutz exclamou: «mas então nós somos católicos!» João XXIII disse: «Sim, já não estamos separados.»[36]

João XXIII recebeu pela primeira vez no Vaticano um «arcebispo» de Canterbury, um «prelado» da Igreja episcopal dos E.U.A., e um sumo sacerdote xintoísta.38 João XXIII uma vez comentou: «Se eu tivesse nascido muçulmano, acredito que permaneceria sempre um bom muçulmano, fiel à minha religião.»[39]

Abaixo segue uma foto de uma reunião de João XXIII com os cismáticos orientais no Vaticano II. João XXIII queria que o clero da Igreja «Ortodoxa» russa — muitos dos quais eram agentes da KGB — participasse do Concílio Vaticano II. Os «ortodoxos» disseram que alguns de seus clérigos participariam, com a condição de que não houvesse condenação do comunismo no Vaticano II. Portanto, João XXIII mediou o «grande acordo» que foi o Acordo Vaticano-Moscovo (ou Pacto de Metz). O Vaticano concordou em não condenar o comunismo no Vaticano II, em troca de (veja-me esta) os cismáticos orientais poderem observar os procedimentos do Concílio![47]

João XXIII viu onde se iam sentar os observadores não-católicos no Vaticano II e disse: «Não serve! Ponham os nossos irmãos separados à minha beira.» Um anglicano satisfeito chegou a dizer: «Portanto, ali estávamos — precisamente na primeira fila.»[48]

Em 11 de Outubro de 1962, João XXIII fez o seu discurso de abertura do Concílio, completamente relativista e permissivo:

«Nos tempos actuais, elas não vêem senão prevaricações e ruínas; vão repetindo que a nossa época, em comparação com as passadas, foi piorando; e comportam-se como quem nada aprendeu da história, que é também mestra da vida, e como se no tempo dos Concílios Ecuménicos precedentes tudo fosse triunfo completo da ideia e da vida cristã, e da justa liberdade religiosa. Mas parece-nos que devemos discordar desses profetas da desventura, que anunciam acontecimentos sempre infaustos, como se estivesse iminente o fim do mundo. No presente momento histórico, a Providência está-nos levando para uma nova ordem de relações humanas...»

«...os erros dissipam-se logo ao nascer, como a névoa ao despontar o sol. A Igreja sempre se opôs a estes erros; muitas vezes até os condenou com a maior severidade. Agora, porém, a esposa de Cristo prefere usar mais o remédio da misericórdia do que o da severidade. [A Igreja] Julga satisfazer melhor às necessidades de hoje mostrando a validez da sua doutrina do que renovando condenações. (…) Infelizmente, a família cristã, não atingiu ainda, plena e perfeitamente, esta visível unidade na verdade.»[49]

Como vimos acima no seu discurso de abertura, João XXIII declarou que, na história, a Igreja se opôs e condenou os erros, mas que agora não iria renovar tais condenações. Ele também proferiu a heresia de que «a família cristã, não atingiu ainda, plena e perfeitamente, esta visível unidade na verdade.»

Papa Leão XIII, Satis cognitum, #4, 29 de Junho de 1896: «A Igreja, em relação à sua unidade, pertence à categoria das coisas indivisíveis por sua própria natureza, embora os hereges trabalhem para que se divida em diversas partes.»[50]

Papa Leão XIII, Satis cognitum, #5: «Há ― disse São Cipriano ― um só Deus, um só Cristo, uma só Igreja de Cristo, uma só fé, um só povo que, pelo vínculo da concórdia, está fundado na unidade sólida de um mesmo corpo. Esta unidade não pode ser quebrada, nem o corpo uno ser dividido pela separação das suas partes constituintes[51]

João XXIII também alterou as rubricas para o Breviário e o Missal. Ele ordenou a supressão das orações leoninas, que eram as orações prescritas pelo Papa Leão XIII para serem recitadas depois da Missa. Estas orações foram também prescritas pelo Papa São Pio X e o Papa Pio XI.[52] Esta incluía a oração a São Miguel Arcanjo, uma oração que faz uma menção específica da batalha travada pela Igreja contra o Demónio.

João XXIII eliminou da Missa o salmo Judica me.

João XXIII suprimiu o Último Evangelho, o Evangelho de São João. Este Evangelho é também utilizado nos exorcismos.[53]

Depois, João XXIII eliminou o segundo Confiteor na Missa.  depois de todas estas mudanças, ele fez uma mudança no cânon da Missa, introduzindo o nome de São José.[54]   A petição para se colocar o nome de São José no cânon da Missa foi oficialmente rejeitada pelo Papa Pio VII em 16 de Setembro de 1815,[55] e pelo Papa Leão XIII em 15 de Agosto de 1892.[56] As outras mudanças significativas a respeito do Santo Sacrifício da Missa (que precederam à Nova Missa de Paulo VI) entraram em vigor no primeiro Domingo do Advento de 1964.

JOÃO XXIII SOBRE O SOCIALISMO E O COMUNISMO

João XXIII escreveu uma carta elogiando Marc Sangnier, o fundador de O Sillon. O Sillon foi uma organização condenada pelo Papa São Pio X. João XXIII escreveu acerca de Sangnier: «A poderosa fascinação de suas palavras (de Sangnier), da sua alma, encantou-me, e as mais vivas recordações de minha juventude como sacerdote devem-se a essa pessoa e à sua actividade política e social…»[57]

Na sua encíclica Mater et Magistra (sobre o cristianismo e o progresso social), João XXIII promove os ideais socialistas e não condena uma vez sequer a contracepção e o comunismo. Quando lhe foi perguntado o porquê de ter respondido à saudação de um ditador comunista (Khruchtchov), João XXIII respondeu: «Sou o Papa João, não por causa de algum mérito pessoal, mas por um acto de Deus, e Deus está em cada um de nós.»[58]

João XXIII divertia-se muito com os comunistas; poderia-se pensar que eram os seus próprios irmãos.[59]  O comunismo foi condenado 35 vezes pelo Papa Pio XI e 123 vezes pelo Papa Pio XII.[60]

No dia 6 de Março de 1963, João XXIII recebeu Aleksei Adzhubei e a sua esposa, Rada, numa audiência especial. Rada era a filha do Primeiro-Ministro da URSS, Khrushchov. Rada disse o seguinte sobre o seu encontro com João XXIII: «… ele entregou a Aleksei e a mim um par de prendas simbólicas, que também se destinavam ao meu pai, e disse-me: ‘… isto é para o teu Papa.’»[61]

O secretário-geral do Partido Comunista Britânico, John Gollan, frente às câmeras de televisão no dia 21 de Abril de 1963, disse que «a encíclica [Pacem in terris, de João XXIII] o surpreendeu e alegrou» e, portanto, ele havia exteriorizado a sua «mais sincera satisfação no recente 28.° congresso do partido.»[63]

Um dos bons amigos de João XXIII foi o comunista e vencedor do Prémio Lenin da Paz Giacomo Manzu.64 João XXIII disse: «Não vejo razão alguma para que um cristão não possa votar num marxista se julgar que este é mais apto para seguir uma determinada linha política e destino histórico.»[65]

JOÃO XXIII ELOGIADO POR MAÇONS E COMUNISTAS

DURANTE O SEU «PONTIFICADO»

A encíclica Pacem in Terris de João XXIII foi admirada pelos próprios líderes maçónicos como um documento maçónico. Estes são apenas alguns exemplos.

Eis uma citação do Boletim Maçónico, o órgão oficial do Supremo Conselho do 33.º e Último Grau do Rito Escocês Antigo e Aceite da Maçonaria, para o distrito maçónico dos Estados Unidos Mexicanos, endereçado em Rua Lucerna, n.º 56, no D. F. do México (ano 18, n.° 220, Maio de 1963):

«A LUZ DO GRANDE ARQUITECTO DO UNIVERSO ILUMINA O VATICANO

«Em termos gerais, a encíclica Pacem in terris, dirigida a todos os homens de boa vontade, inspirou consolo e esperança. Tanto em países democráticos como comunistas, Pacem in Terris foi elogiada universalmente. Apenas as ditaduras católicas franziram o sobrolho e distorceram o seu espírito.

«Muitos dos seus conceitos e doutrinas são-nos familiares. Ouvimo-las de ilustres racionalistas, liberais e irmãos socialistas. Depois de considerado cuidadosamente o significado de cada palavra, poderíamos dizer que, apesar da proverbial e típica baboseira literária do Vaticano, a encíclica Pacem in Terris é uma rigorosa exposição de doutrina maçónica. (…) nós não hesitamos em recomendar uma leitura atenciosa dessa encíclica.»[68] 

No livro Resurgence du Temple, publicado e editado pelos Cavaleiros Templários (maçons), 1975:149, a seguinte citação é de interesse: «A direcção da nossa acção: a continuação do trabalho de João XXIII, e de todos os que o seguiram no caminho do universalismo templário[69]

DECLARAÇÕES DE COMUNISTAS, MAÇONS E NÃO-CATÓLICOS

EM LOUVOR DE JOÃO XXIII DEPOIS DA SUA MORTE

Após a morte de João XXIII, numerosos documentos de comunistas, maçons e judeus foram enviados ao Vaticano, exprimindo as suas mágoas pela morte de João XXIII. Pessoas como Fidel Castro e Nikida Khrushchev, enviaram mensagens de louvor e tristeza.[82]

Edição de El Informador, de 4 de Junho de 1963:

«A Grande Loja Ocidental Mexicana dos Livres e Aceites Maçons, por motivo do falecimento do Papa João XXIII, manifesta publicamente o seu pesar pela desaparição deste grande homem que revolucionou as ideias, pensamentos, e formas da liturgia católica romana. As encíclicas Mãe e Mestra [Mater et Magistra] e Paz na Terra [Pacem in terris] revolucionaram os conceitos a favor dos direitos do homem e sua liberdade. A humanidade perdeu um grande homem, e nós maçons, reconhecemos seus elevados princípios, seu humanitarismo, e sua condição de grande liberal.

Charles Riandey, um soberano Grão-Mestre das sociedades secretas, no seu prefácio para um livro de Yves Marsaudon (Ministro de Estado do Conselho Supremo das sociedades secretas francesas), declarou:

«Em memória de Angelo Roncalli, sacerdote, Arcebispo de Messamaris, Núncio Apostólico em Paris, Cardeal da Igreja romana, Patriarca de Veneza, Papa de nome de João XXIII, que condescendeu a dar-nos a sua bênção, a sua compreensão, e a sua protecção.»[84] 

UM HEREGE NÃO PODE SER UM PAPA VÁLIDO

Como já vimos, a Igreja Católica ensina que um herege não pode ser validamente eleito papa, porque um herege não é membro da Igreja Católica. Os factos aqui apresentados demonstram que João XXIII, o homem que convocou o Vaticano II e deu início à apóstata Igreja conciliar, era claramente um herege. Ele não era um papa válido. Angelo Roncalli (João XXIII) era um não-católico, um antipapa conspirador que começou a apostasia do Vaticano II.

OS SURPREENDENTES PARALELOS ENTRE O ANTIPAPA JOÃO XXIII

DO GRANDE CISMA DO OCIDENTE

 E O ANTIPAPA JOÃO XXIII DO VATICANO II

O nome «João» tem sido propositadamente evitado por papas durante 500 anos, porque o último homem a usá-lo foi o infame João XXIII (Baltazar Cossa) do Grande Cisma do Ocidente. Existem paralelos incríveis entre o recente antipapa João XXIII (Angelo Roncalli) e o antipapa João XXIII (Baltazar Cossa) que reinou durante o Grande Cisma do Ocidente.

O reinado do primeiro antipapa João XXIII abarcou cinco anos, desde 1410 até 1415, tal como o reinado do segundo antipapa João XXIII, que abarcou cinco anos, de 1958 a 1963.

O primeiro antipapa João XXIII convocou um falso concílio, o Concílio de Constança (o Concílio de Constança tornou-se posteriormente num verdadeiro concílio ecuménico, com algumas sessões aprovadas pelo verdadeiro papa; mas, na altura em que o antipapa João XXIII o abriu, era um falso concílio). Da mesma maneira, o recente antipapa João XXIII (Angelo Roncalli) também convocou um falso concílio, o Vaticano II!

O primeiro antipapa João XXIII abriu o seu falso concílio em Constança no quarto ano do seu reinado, em 1414. O recente antipapa João XXIII abriu o Vaticano II no quarto ano do seu reinado, 1962.

O reinado do primeiro antipapa João XXIII, terminou pouco antes da terceira sessão do seu falso concílio, em 1415. O recente antipapa João XXIII morreu pouco antes da terceira sessão do Vaticano II, em 1963, pondo um fim ao seu reinado.

Cremos que as similaridades entre o primeiro antipapa João XXIII e o segundo não são meras coincidências. O primeiro antipapa João XXIII foi também o último antipapa a reinar em Roma. Estava Angelo Roncalli, o mais recente antipapa João XXIII, ao escolher este nome, indicando de forma simbólica (na forma esotérica que os maçons costumam fazer as coisas) que ele estava a continuar a linha de antipapas que reinam em Roma?

NOTAS FINAIS:

[1] Yves Marsaudon em seu livro L’Œcuménisme vu par um franc-maçon de tradition, Paris: Ed. Vitiano; citado por Dr. Rama Coomaraswamy, The Destruction of the Christian Tradition, pág. 247.

[2] Lawrence Elliott, I Will Be Called John, 1973, pp. 90-92.

[6] Alden Hatch, A Man Named John, pág. 96.

[7] Alden Hatch, A Man Named John, pág. 98.

[8] St. Anthony’s Messenger, Nov. de 1996.

[9] Alden Hatch, A Man Named John, pág. 117.

[10] Alden Hatch, A Man Named John, pág. 118.

[11] Paul I. Murphy e R. Rene Arlington, La Popessa, 1983, pp. 332-333.

[12] Mary Ball Martinez, The Undermining of the Catholic Church, Hillmac, México, 1999, pág. 117.

[13] Giovanni Cubeddu, 30 Days, No. 2-1994., pág. 25.

[15] Alden Hatch, A Man Named John, pág. 121.


[16] Alden Hatch, A Man Named John, pág. 123.


[17] Kurt Klinger, A Pope Laughs, pág. 99.


[18] Rev. Francis Murphy, John XXIII Comes To The Vatican, 1959, pág. 139.


[19] Alden Hatch, A Man Named John, pág. 114.


[20] Alden Hatch, A Man Named John, pág. 125.


[21] Kurt Klinger, A Pope Laughs, Stories of John XXIII, pág. 104.


[22] Mark Fellows, Fatima in Twilight, Niagra Falls, NY: Marmion Publications, 2003, pág. 159.


[23] Kurt Klinger, A Pope Laughs, Stories of John XXIII, pág. 105.

[24] The Papal Encyclicals, por Claudia Carlen, edição inglesa, Raleigh: The Pieriam Press, 1990,

vol. 4 (1903-1939), pág. 434.

[25] Peter Hebblethwaite, John XXIII, The Pope of the Council, Doubleday, ed. Le Centurion,

1988, pág. 27.

[26] Paul Johnson, Pope John XXIII, pp. 37, 114-115, 130.


[27] Kurt Klinger, A Pope Laughs, Stories of John XXIII, pág. 24.


[28] Time Magazine, «1962 Man of the Year: Pope John XXIII,» 4 de Janeiro de 1963.


[29] Kurt Klinger, A Pope Laughs, Stories of John XXIII, pág. 49.


[30] Romano Amerio, Iota Unum, Angelus Press, 1998, pág. 241.


[31] Kurt Klinger, A Pope Laughs, Stories of John XXIII, pág. 134.


[32] Kurt Klinger, A Pope Laughs, Stories of John XXIII, pág. 110.


[33] Alden Hatch, A Man Named John, pág. 192.


[34] Alden Hatch, A Man Named John, pág. 192.


[35]
 Alden Hatch, A Man Named John, pág. 194.


[36] Luigi Accattoli, Quando o Papa Pede Perdão, pág. 29.


[39] Allegri, Il Papa che ha cambiato il mondo, ed., Reverdito, 1998, pág. 120. Também citado emSacerdotium, exemplar #11, 2899 East Big Beaver Rd., Suite 308, Troy, MI., pág. 58.


[47] Mark Fellows, Fatima in Twilight, Niagra Falls, NY: Marmion Publications, 2003, pág. 180.


[48] Alden Hatch, A Man Named John, NY, pág. 14.


[49] Walter Abbott, The Documents of Vatican II, The America Press, 1966, pp. 712; 716; 717; http://www.vatican.va/holy_father/john_xxiii/speeches/1962/documents/hf_j-xxiii_spe_19621011_opening-council_po.html


[50] The Papal Encyclicals, vol. 2 (1878-1903), pág. 389.


[51] The Papal Encyclicals, vol. 2 (1878-1903), pág. 390.


[52] The Reign of Mary, Spokane, WA., Spring, 1986, pág. 10.


[53]
 The Reign of Mary, vol. XXIX, No. 93, pág. 16.

[54] The Reign of Mary, vol. XXIX, No. 93, pág. 16.

[55] The Reign of Mary, vol. XXII, No. 64, pág. 8.


[56] The Reign of Mary, edição da primavera, 1986, pp. 9-10.


[57] Angelo Giuseppe Roncalli, John XXIII, Mission to France, 1944-1953, pp. 124-125.


[58] The Reign of Mary, edição de primavera, 1986, pág. 9.


[59] Kurt Klinger, A Pope Laughs, Stories of John XXIII, pág. 57.


[60] Piers Compton, The Broken Cross, Cranbrook, Western Australia: Veritas Pub. Co., 1984, pág. 45.


[61] Kurt Klinger, A Pope Laughs, Stories of John XXIII, pág. 24.


[63] Pe. Joaquin Arriaga, The New Montinian Church, Brea, CA., pág. 170.


[64] Curtis Bill Pepper, An Artist and the Pope, London, England: Grosset & Dunlap, Inc.
Capa frontal & interior da capa removível do livro; ver também pág. 5.


[65] Pe. Joaquin Arriaga, The New Montinian Church, Brea, Ca., pág. 570.


[68] Pe. Joaquin Arriaga, The New Montinian Church, pp. 147-148.


[69] A.D.O. Datus, «Ab Initio,» pág. 60.


[82] Alden Hatch, A Man Named John, depois da pág. 238 (7.ª página do suplemento).


[84] Piers Compton, The Broken Cross, Cranbrook, Western Australia: Veritas Pub. Co. Ptd Ltd, 1984,pág. 50.