sexta-feira, 6 de maio de 2016


Os cidadãos e a gramática


Maria Regina Rocha, Público, 4 de Maio de 2016

Talvez não tenha sido muito feliz a criação do termo «igualdade de género», pois as pessoas não são palavras, sendo mais adequada a expressão «igualdade de direitos, deveres e garantias entre sexos», e, quanto ao «Cartão de Cidadão», esta designação naturalmente que engloba todo e qualquer cidadão.

Recentemente, tem sido objecto de discussão a denominação do Cartão de Cidadão, documento por meio do qual, em Portugal, se procede à identificação das pessoas, verificando-se em diversos artigos, e invocando-se a «igualdade de género», alguma confusão entre sexo e género, pelo que talvez valha a pena distinguir estes dois conceitos e explicar como funciona a língua portuguesa (e respectiva gramática) no que diz respeito à designação dos seres e das pessoas em geral.

Como ponto prévio, convém referir que o signo linguístico é arbitrário, o que significa, genericamente, que a designação de um determinado objecto, ser, fenómeno, etc., obedece a alguma convenção, variando de língua para língua. Observe-se, por exemplo, que «o mar» (palavra do género masculino em português) corresponde a «la mer» (feminino em francês) e a «the sea» (sem género em inglês) e que «uma criança» (palavra do género feminino em português, independentemente do sexo da criança em causa) corresponde a «un enfant» (palavra masculina em francês) e a «a child» (palavra sem género em inglês): como se vê, palavras diferentes e de diferentes géneros para designar a mesma realidade.

Assim, é conveniente distinguir sexo de género gramatical.

O sexo diz respeito a características morfológicas das pessoas e de outros seres vivos. Um género gramatical é um conjunto de palavras que seguem determinadas regras de concordância, distintas das dos outros géneros. Há línguas em que existe em alguns domínios uma relação entre género e sexo, mas não absoluta nem determinante (o caso da nossa), outras em que não há qualquer relação entre género e sexo; outras, raras, em que existe uma relação exacta; muitas em que o género está relacionado com outros factores (animado ou inanimado; metal, madeira ou pedra...), e mesmo algumas em que não existe sequer género.

Em português, muitos dos substantivos que designam um ser animado têm um género que corresponde a uma distinção de sexo (exemplos: o menino, a menina; o gato, a gata), mas muitos outros há em que tal não se verifica, quer no que diz respeito aos animais, quer no que diz respeito às pessoas.

Efectivamente, embora haja nomes de animais que têm masculino e feminino (o coelho, a coelha; o cavalo, a égua…), muitos dos substantivos que designam animais têm apenas uma forma (masculina ou feminina) para os dois sexos. São os substantivos epicenos, de que são exemplo a borboleta, a foca, a girafa, a serpente, o milhafre, o sapo, o tubarão…

Passando às palavras que designam pessoas, notamos que muitas delas têm a marca de género correspondente ao sexo, ou por meio do uso de uma palavra diferente consoante o sexo (exemplos: homem, mulher; pai, mãe), ou marcando-se a palavra feminina com um morfema próprio (exemplo: professor, professora). Há, no entanto, um certo número de substantivos, chamados «comuns de dois» e outros «sobrecomuns», que não têm essas marcas. Os «comuns de dois» são aqueles que têm a mesma forma para o masculino e para o feminino, sendo apenas o artigo que indica se nos estamos a referir a uma pessoa do sexo feminino ou do sexo masculino (exemplos: o artista, a artista; o colega, a colega; o presidente, a presidente). Os «sobrecomuns» são aqueles que têm um só género gramatical, não se distinguindo nem sequer pelo artigo (exemplos: a testemunha, o cônjuge, a vítima), verificando-se apenas pelo contexto, quando necessário, qual o sexo da pessoa. Este último caso acontece porque não importa aqui marcar a distinção de sexo: o que importa é a condição ou a situação da pessoa, e não a diferença de sexo.

De referir, ainda, que, na sua maior parte, as palavras quer de um género quer do outro se referem a objectos ou a seres vivos de qualquer sexo (lagarto, salgueiro...), não havendo nenhum tipo de critério nessa distribuição.





domingo, 1 de maio de 2016


Robert Spaemann assegura: Amoris laetitia

rompe com a encíclica Veritatis Splendor



João Paulo II teve-o como conselheiro. Bento XVI aprecia-o como amigo. É considerado o filósofo alemão católico mais importante das últimas décadas: Robert Spaemann. Numa entrevista exclusiva à CNA alemã, o professor emérito de filosofía expressa a sua leitura de Amoris Laetitia de Bergoglio.

Profesor Spaemann, usted ha acompañado con su filosofía los pontificados de Juan Pablo II y Benedicto XVI. Muchos creyentes hoy en día discuten si la exhortación post-sinodal «Amoris Laetitia» de Francisco puede ser leída en continuidad con las enseñanzas de la Iglesia y de estos papas.

Para la mayor parte del texto es posible, a pesar de que su línea da lugar a conclusiones que pueden no ser compatibles con las enseñanzas de la Iglesia. En cualquier caso, el artículo 305, junto con la nota 351, que establece que los fieles «en una situación objetiva de pecado» pueden ser admitidos a los sacramentos «debido a circunstancias atenuantes» contradice directamente el artículo 84 de la «Familiaris Consortio» de Juan Pablo II.

¿Qué deseaba Juan Pablo II?

Juan Pablo II declara la sexualidad humana «símbolo real de la donación de toda la persona» y «sin ninguna limitación temporal ni de ningún tipo». El artículo 84 dice, entonces, con toda claridad que los divorciados vueltos a casar, si desean acceder a la comunión, deben renunciar a los actos sexuales. Un cambio en la práctica de la administración de los sacramentos por tanto no sería un «desarrollo» de la «Familiaris Consortio», como dijo el cardenal Kasper, sino una ruptura substancial con su enseñanza antropológica y teológica sobre el matrimonio y la sexualidad humana.

La Iglesia no tiene el poder, sin que haya una conversión previa, de juzgar positivamente unas relaciones sexuales desordenadas, mediante la administración de los sacramentos, disponiendo anticipadamente de la misericordia de Dios. Y esto sigue siendo cierto, sin importar cuál sea el juicio sobre estas situaciones, tanto en el plano moral como en el plano humano. En este caso, como en la ordenación de mujeres, la puerta está cerrada.

¿No se podría argumentar que las consideraciones antropológicas y teológicas que usted ha mencionado tal vez sean verdaderas, pero que la misericordia de Dios no está sujeta a estos límites, sino que se conecta a la situación concreta de cada persona?

La misericordia de Dios está en el corazón de la fe cristiana en la Encarnación y la Redención. Ciertamente, Dios mira a cada persona en su situación particular. Él conoce a cada una de las personas mejor que lo que ella se conoce a sí misma. La vida cristiana, sin embargo, no es un entrenamiento pedagógico en el que uno se mueve hacia el matrimonio como un ideal, como «Amoris Laetitia» parece sugerir en muchos pasajes. Todo el ámbito de las relaciones, especialmente las de naturaleza sexual, tiene que ver con la dignidad de la persona humana, con su personalidad y libertad. Tiene que ver con el cuerpo como «templo de Dios» (1 Cor 6,19). Cualquier violación de este ámbito, aunque se haya vuelto frecuente, es, pues, una violación de la relación con Dios, a quien los cristianos se saben llamados; es un pecado contra su santidad, y tiene siempre y continuamente necesidad de purificación y conversión.

La misericordia de Dios consiste precisamente en que esta conversión se hace posible continuamente y siempre de nuevo. La misericordia, desde luego, no está vinculada a determinados límites, pero la Iglesia, por su parte, está obligada a predicar la conversión y no tiene el poder de superar los límites existentes mediante la administración de los sacramentos, haciendo así violencia a la misericordia de Dios. Esto sería orgullosa arrogancia.

Por lo tanto, los clérigos que se atienen al orden existente no condenan a nadie, sino tienen en cuenta y anuncian este límite hacia la santidad de Dios. Es un anuncio saludable. Acusarlos injustamente, por esto, de «esconderse detrás de las enseñanzas de la Iglesia» y de «sentarse en la cátedra de Moisés... para lanzar piedras a la vida de las personas» (art. 305), es algo que no quiero ni comentar. Se debe notar, sólo de pasada, que aquí se utiliza, jugando con una deliberada interpretación errónea, ese pasaje del Evangelio. Jesús dice, de hecho, sí, que los fariseos y los escribas se sientan en la cátedra de Moisés, pero hace hincapié en que los discípulos deben practicar y observar todo lo que ellos dicen, pero no deben vivir como ellos (Mt 23: 2).

El Papa quiere que no nos centremos en las frases individuales de su exhortación, sino que se tenga en cuenta todo el trabajo en su conjunto.

Desde mi punto de vista, centrarse en los pasajes antes citados está totalmente justificado. Delante de un texto del Magisterio papal no se puede esperar que la gente se alegre por un hermoso texto y disimule como si nada ante frases cruciales, que cambian la enseñanza de la Iglesia. En este caso sólo hay una clara decisión entre el sí y el no. Dar o negar la comunión: no hay término medio.

Francisco en su escrito enfatiza repetidamente que nadie puede ser condenado para siempre.

Me resulta difícil entender lo que quiere decir. Que a la Iglesia no le es lícito condenar a nadie personalmente, y mucho menos eternamente – lo cual, gracias a Dios, ni siquiera puede hacer – es claro. Pero, cuando se trata de relaciones sexuales que contradicen objetivamente el orden cristiano de la vida, entonces realmente quisiera que el Papa me dijera después de cuánto tiempo y bajo qué circunstancias un comportamiento objetivamente pecaminoso se convierte en una conducta agradable a Dios.

Aquí, entonces, ¿se trata realmente de una ruptura con la enseñanza tradicional de la Iglesia?

Que se trata de una ruptura es algo evidente para cualquier persona capaz de pensar que lea los textos en cuestión.

¿Cómo se ha podido llegar a esta ruptura?

R. – Que Francisco se coloque en una distancia crítica respecto a su predecesor Juan Pablo II ya se había visto cuando lo canonizó junto con Juan XXIII, cuando se consideró innecesario para este último el segundo milagro que, en cambio, se requiere canónicamente. Muchos con razón han considerado esta opción como manipulación. Parecía que el Papa quisiera relativizar la importancia de Juan Pablo II.

El verdadero problema, sin embargo, es una influyente corriente de la teología moral, ya presente entre los jesuitas en el siglo XVII, que sostiene una mera ética situacional. Las citas de Tomás de Aquino referidas por el Papa en «Amoris Laetitia» parecen apoyar esta línea de pensamiento. Aquí, sin embargo, pasa por alto el hecho de que Tomás de Aquino conoce actos objetivamente pecaminosos, para los que no admite excepción vinculada a las situaciones. Entre éstas se incluyen comportamientos sexuales desordenados. Como había hecho ya en los años cincuenta el jesuita Karl Rahner en un ensayo que contiene todos los argumentos esenciales, válidos aún hoy, Juan Pablo II rechazó la ética de la situación y la condenó en su encíclica «Veritatis Splendor».

«Amoris Laetitia» también rompe con esta encíclica. En este sentido, pues, no hay que olvidar que fue Juan Pablo II quien dedicó su pontificado a la misericordia divina, le dedicó su segunda encíclica, descubrió en Cracovia el diario de Sor Faustina y, más tarde, la canonizó. Él es su intérprete auténtico.

¿Qué consecuencias ve usted para la Iglesia?

Las consecuencias ya se pueden ver ahora. La creciente incertidumbre y la confusión: desde las conferencias episcopales al último sacerdote en la selva. Hace sólo unos días un sacerdote del Congo me expresó toda su perplejidad frente a esto y frente a la falta de una orientación clara. De acuerdo con los pasajes correspondientes de «Amoris Laetitia», en presencia de «circunstancias atenuantes» no definidas, pueden ser admitidos a la confesión de los demás pecados y a la comunión no sólo los divorciados y vueltos a casar, sino todos los que viven en cualquier «situación irregular», sin que deban esforzarse por abandonar su conducta sexual y, por tanto, sin confesión plena y sin conversión.

Cada sacerdote que se atenga al ordenamiento sacramental previo podría sufrir formas de intimidación por parte de sus fieles y ser presionado por su obispo. Roma ahora puede imponer el requisito de que sólo sean nombrados obispos los «misericordiosos», que estén dispuestos a suavizar el orden existente. Con un trazo el caos ha sido erigido como principio. El Papa debería haber sabido que con esa medida divide la Iglesia y abre la puerta a un cisma. Este cisma no residiría en la periferia, sino en el corazón mismo de la Iglesia. Dios no lo quiera.

Una cosa, sin embargo, parece segura: lo que parecía ser la aspiración de este pontificado – que la Iglesia superara su autoreferencialidad para salir al encuentro de las personas con un corazón libre – con este documento papal se aniquiló por tiempo indefinido. Se puede esperar un impulso secularizador y un nuevo descenso en el número de sacerdotes en muchas partes del mundo. Se puede comprobar fácilmente, desde hace tiempo, que los obispos y diócesis con una actitud inequívoca en materia de fe y moral tienen el mayor número de vocaciones sacerdotales. Hay que tener en cuenta aquí lo que escribe San Pablo en su carta a los Corintios: «Si la trompeta da un sonido incierto, ¿quién se preparará para la batalla?» (1 Cor 14: 8).

¿Qué va a pasar ahora?

Cada cardenal, pero también cada obispo y sacerdote está llamado a defender en su propio campo el orden sacramental católico y profesarlo públicamente. Si el Papa no está dispuesto a hacer correcciones, le tocará al siguiente pontificado poner oficialmente las cosas en su sitio.


Traducido al español por InfoCatólica

Texto original em CNA




sábado, 30 de abril de 2016


Finalmente, a universidade viu-se livre

de um charlatão pseudo-historiador


Heduíno Gomes

Não sei de quem é o texto que se segue mas subscrevo-o.

«Uma boa notícia. O pseudo-historiador comunista, Fernando Rosas, realizou hoje a sua última aula. Após anos de mistificação histórica, bem sucedida, diga-se, aquele que foi o historiador do regime deixa de propagar o seu veneno extremo-esquerdista junto dos alunos. Como um cancro, as mentiras do Rosas espalharam-se em jeito de metástases e moldaram a produção da história recente do país. Resta-nos a esperança que alguns alunos tenham sido imunes à mitologia esquerdista e consigam pensar pelas suas cabeças e colocar em causa as falaciosas maquinações históricas do Rosas.»

Fernando Rosas
Em várias ocasiões tive a ocasião de referir as habilidades deste falsificador da história sem qualquer ponta de vergonha.

Vou agora referir uma comédia interessantíssima.

Acto 1 — O Rosas nas televisões e noutros palcos do regime a pintar o Estado Novo como fascista e a PIDE igual à GESTAPO.

Acto 2 (flashback) — O Rosas antes do 25 de Abril sob a tal ditadura fascista.

Cena 1 — Com umas atitudes de doidanas no estilo do MRPP, de que havia sido co-fundador, o Rosas foi facilmente identificado pela PIDE, que queria deitar-lhe a mão.

Cena 2 — O Rosas pisgou-se então para Paris.

Cena 3 — O tio João, de nome completo João Augusto Dias Rosas, ministro do terrível fascista Marcelo Caetano, vai a Paris em viagem de Estado. Desloca-se de avião, pela TAP, com dois guarda-costas, dois agentes da PIDE que vão para Paris render outros dois que lá se encontram de serviço.

João Augusto Dias Rosas
Cena 4 — O tio João regressa de Paris, com outros dois guarda-costas, os dois agentes da PIDE rendidos e que regressam a Lisboa. Que traz o tio João na bagagem guardada pelos dois agentes da PIDE, essa polícia igual à GESTAPO? Precisamente o sobrinhito Fernando...


NOTA: É este «historiador» que o Pacheco Pereira elogia. Outro do mesmo quilate. Só falta ouvir a opinião do Barreto.

Ver também:

Sobre a falsificação do pensamento de Salazar:

http://maislusitania.blogspot.pt/2012/12/os-nossos-historietadores-e-o-chamado.html

Sobre a vergonhosa boleia da «progressista» Universidade Católica ao figurão:

http://maislusitania.blogspot.pt/2012/01/questao-religiosa-no-parlamento-de-1935.html





quarta-feira, 27 de abril de 2016


Importante entrevista

com D. Athanasius Schneider



Entrevista exclusiva com o Bispo Athanasius Schneider,

conduzida por Dániel Fülep

do John Henry Newman Center

do Ensino Superior na Hungria.

TEMAS ABORDADOS:
Vaticano II
Crise na Igreja
Bergoglio
Neocatecumenais
Diálogo com o Islão
Migrações em massa
A Igreja e a Rússia
Liturgia e tradicionalistas

[Apresentamos o texto da tradução automática]

[AQUI PODE LER o original em inglês: http://rorate-caeli.blogspot.com/2016/04/exclusive-interview-with-bishop.html]

[AQUI PODE LER  a tradução em castelhano: http://adelantelafe.com/exclusiva-entrevista-obispo-athanasius-schneider/]

Nota: Esta entrevista foi realizada em Março, antes do lançamento
do Amoris Latitia.

Para ler a entrevista completa – incluindo perguntas e respostas relacionadas com os dois sínodos clique aqui.


SOBRE O CONCÍLIO VATICANO II

Mr. Fülep: Em uma conferência teológica em Roma, em Dezembro de 2010 o senhor propôs a necessidade de "um novo Syllabus" [1] em que magistério papal deve corrigir interpretações errôneas dos documentos do Concílio Vaticano II .[2] O que você acha hoje em dia?

Sua Excelência Dom Schneider: Eu acho que, no nosso tempo de confusão, é absolutamente necessário ter um tal programa. Syllabus significa uma lista, uma enumeração dos perigos, declarações confusas, más interpretações e assim por diante; uma enumeração de a maioria dos erros generalizados e comuns em todas as áreas, tais como dogma, moral e liturgia. Por outro lado, deve-se também esclarecer e avaliar positivamente os mesmos pontos. Ele virá com certeza, porque a Igreja sempre emitido esclarecimentos muito claras, especialmente depois de tempos de confusão.

Mr. Fülep: "Aggiornamento" foi o nome dado ao programa pontifício de João XXIII , em um discurso em 25 de janeiro de 1959, e foi uma das palavras-chave utilizadas durante o Concílio Vaticano II . Qual é a interpretação correta dessa frase?

Sua Excelência Dom Schneider: . Para o Papa João XXIII, "aggiornamento" não foi mudando a verdade, mas explicá-lo de uma forma mais profunda e pedagógica para que as pessoas possam entender melhor e aceito-O Papa sublinhou que "aggiornamento" significa manter a fé na sua totalidade. Foi depois de o Conselho de que esta palavra foi mal utilizado radicalmente mudar a fé. Não era a intenção de João XXIII.

Mr. Fülep: . Outro termo mal compreendido é "participatio actuosa" [3] Ainda de acordo com clérigos, isso significa que de preferência todos devem receber uma tarefa durante a liturgia. É como se este termo se refere o lufa-lufa ou ativismo. A ideia de i atividade nternal nem sequer vir para cima.

Sua Excelência Dom Schneider: A primeira pessoa a usar a expressão "actuosa participatio" foi o Papa Pio X em seu famoso motu proprio Tra le sollecitudini [4] relativa à música sacra O papa fala sobre "participatio actuosa" e explica que isso significa que o. fiel deve estar consciente das palavras sagrados e ritos durante a Santa Missa, participando conscientemente em vez de distraidamente. seu coração e sua boca tem que estar de acordo com o outro. Praticamente, o mesmo significado pode ser encontrada no documento "Sacrosanctum Concilium" do Concílio Vaticano II, [5] não podemos encontrar lá qualquer grande reinterpretação do termo. e Sacrosanctum Concilium ensina que, na prática participatio actuosa significa ouvir, responder, cantando, ajoelhado e também ficar em silêncio. foi a primeira vez que o Magistério tinha falado sobre o silêncio como uma forma de actuosa participatio Então nós temos que destruir alguns mitos sobre "articipatio actuosa"..

SOBRE A CRISE DA IGREJA

Mr. Fülep: Hoje em dia, temos de perceber que há uma linha de falha profunda dentro da Igreja. A imagem é muito complexa, mas de forma simplista, podemos dizer que há um confronto doloroso entre o modernismo e tradição. Como pode Vossa Excelência explicar esta dicotomia da vida da Igreja?

Sua Excelência Dom Schneider: Nós já foram vivendo e experimentando essa dicotomia por 50 anos desde o Conselho. Por um lado, há sinais positivos na Igreja. Por outro lado, os erros reais estão espalhados por alguns bispos e padres. Tal situação é contrária à natureza da Igreja. Jesus Cristo ordenou aos apóstolos e seus sucessores para manter o tesouro da fé, ou seja, a fé católica, intactas, assim, os apóstolos até morreram por esta fé. Aqueles que têm autoridade na Igreja deve agir contra tal situação e corrigi-lo.

Mr. Fülep: Se analisarmos a vida da Igreja, podemos perceber que estamos vivendo em um momento extraordinário. Apostasia é geral talvez em todos os lugares, e heresias para brincadeiras: o modernismo, conciliarismo, arcaísmo etc. Infelizmente, vemos os sinais de heresia entre os bispos também. Os historiadores dizem que esta crise nos lembra o tempo do arianismo. Se esta comparação é correcta, o que é a semelhança entre o tempo do arianismo e nossos dias?

Sua Excelência Dom Schneider: A crise ariana no século 4 causou uma confusão geral em toda a Igreja. Assim, a heresia ou as meias-verdades e as ambiguidades relativas à divindade de Cristo foram amplamente difundido na época. Restavam apenas muito poucos bispos que se opõem abertamente tal heresia e a ambiguidade que foi representado pelo chamado Semi-arianos. Naqueles dias apenas clérigos politicamente corretos foram promovidos a cargos eclesiásticos mais altos como bispos, porque o governo daqueles tempos apoiou e promoveu a heresia. De certa forma, é semelhante ao nosso tempo. No nosso tempo não é apenas uma doutrina específica de fé é negada, mas há uma confusão geral em quase todos os aspectos da doutrina católica, a moral e liturgia. Em nossos dias, bem, a maioria dos bispos são bastante silencioso ou com medo em relação à defesa da fé católica. Portanto, a minha resposta é "sim", há semelhanças.

Mr. Fülep: Alguns sugerem que seria importante que um novo dogma deve definir o termo "tradição" e claramente delinear as conexões de tradição com papado, os conselhos, o Magistério etc. Este novo dogma poderia defender a tradição contra o ex conciliarismo ou uma interpretação incorrecta do primado papal. Qual é a sua opinião sobre isso?

Sua Excelência Dom Schneider: Nós temos um documento do Concílio Vaticano II sobre a revelação divina Dei Verbum [6] e há muito bonitas declarações na mesma. Ele diz que o Magistério, o papa não está acima da Palavra de Deus ou da tradição, mas, como um servo da palavra escrita e transmitida oralmente (= tradição) de Deus, ele está abaixo dele. Deve-se também salientar que o papa, o papado não é o proprietário da tradição ou liturgia, mas ele deve preservá-los como um bom jardineiro. O papa deve preservar e defender a tradição como um servo fiel. Eu acho que seria bom para aprofundar a reflexão sobre a relação entre o Magistério e a Tradição.

Mr. Fülep: Hoje, os fiéis católicos devem experimentar a fraqueza e as disfunções do Magistério: sem exagero ouso dizer que, nos meios de comunicação católicos oficiais você pode ouvir, ler ou ver erros grosseiros, ambiguidades, além do mais, heresias de alta Classificação sacerdotes, é triste dizer, bispos e dignitários da igreja mais elevados, também, quase todos os dias. Uma parcela significativa dos enunciados oficiais - também o mais alto - é confuso, contraditório, enganando a muitos fiéis. O que deve os fiéis católicos fazer nestes tempos difíceis? Como podemos permanecer fiéis à fé nesta situação? Qual é o nosso dever?

Sua Excelência Dom Schneider: Na história da Igreja, sempre houve momentos de uma profunda crise de fé e de moral. A crise mais profunda e mais perigosa foi sem dúvida a crise ariana no século 4. Foi um ataque mortal, contra o mistério da Santíssima Trindade. Naqueles tempos era praticamente os simples fiéis que salvou a fé católica. Ao analisar essa crise, Beato John Henry Newman disse que era o " docta ecclesia " (que significa os fiéis que recebem a instrução do clero), em vez de os " ecclesia docens " (isso significa que os detentores do Magistério eclesiástico) que salvaram o integridade da fé católica no século 4. Em tempos de crise profunda Divina Providência gosta de usar os mais simples e humildes para demonstrar a indestrutibilidade da Sua Igreja. A seguinte afirmação de São Paulo também pode ser aplicado para a situação interna da Igreja: " Deus escolheu o que o mundo considera insensato para confundir os sábios; Deus escolheu o que o mundo considera fracos para confundir os fortes "(1 Cor 1,27). Quando os fiéis simples observar que representantes do clero, e até mesmo do alto clero, a negligência da fé católica e proclamar erros, eles deveriam rezar por sua conversão, devem reparar as falhas do clero através de um corajoso testemunho da fé. Às vezes, os fiéis também deve aconselhar e corrigir o clero, mas sempre com respeito, ou seja, seguindo o princípio do "sentire cum Ecclesia", como por exemplo São Catharine de Siena e Santa Brígida da Suécia fez isso. Na Igreja todos nós constituem um só corpo, o Corpo Místico de Cristo. Quando a cabeça (o clero) é fraco, o resto dos membros deve tentar fortalecer todo o corpo. Em última análise, a Igreja é guiada pelo chefe invisível, que é Cristo, e é animado por sua alma invisível, que é o Espírito Santo. Portanto, a Igreja é indestrutível.


MENSAGEM DE VÍDEO CONFUSO E AMBÍGUO

Mr. Fülep: Papa Francisco revelou sua intenção oração de diálogo inter-religioso para janeiro em uma mensagem de vídeo. [7] O Santo Padre afirma que ele reza "que o diálogo sincero entre homens e mulheres de diferentes religiões pode render frutos de paz e justiça." no vídeo podemos ver o Papa argentina com os crentes de outras religiões, incluindo judeus, muçulmanos e budistas, que professam a cada sua fé e juntos declaram que não acredita no amor. o Papa pede diálogo inter-religioso, notando: "a maioria dos habitantes do planeta se declaram crentes ", e, portanto," Isso deve levar a um diálogo entre as religiões "." Só através do diálogo ", ele ressalta," seremos capazes de eliminar a intolerância e a discriminação ". Notando que o diálogo inter-religioso é " uma condição necessária " para paz no mundo ", diz o Papa," Nós não devemos cessar de orar por ele ou colaborando com aqueles que pensam de forma diferente. "ele também expressa sua esperança de que o seu pedido de oração se espalha para todas as pessoas." neste ampla gama de religiões ", o Papa Francis conclui, "só há uma certeza que temos para todos: todos nós somos filhos de Deus", e diz que ele tem confiança em nossas orações. Na última imagem, podemos ver o Menino Jesus entre Buda, o Menorah e uma corrente de oração muçulmano. Se acreditamos que Jesus Cristo é o único Filho de Deus e da Igreja Católica, a aceitação da fé e batismo são necessárias para a salvação [8] , e nós sabemos que a filiação divina é o fruto da justificação, vendo este vídeo temos vergonha ...

Sua Excelência Dom Schneider: É claro. Infelizmente, esta afirmação do papa é muito confusa e ambígua. Há uma confusão, porque ele está colocando no mesmo patamar do nível natural, segundo a qual todas as pessoas são criaturas de Deus e do nível sobrenatural, segundo a qual somente aqueles que crêem em Cristo e receber o batismo são filhos de Deus. Apenas esses são filhos de Deus que crêem em Cristo, que não são nascidos da carne ou o sangue, que é o nível natural, mas que são nascidos de Deus mediante a fé em Cristo e do batismo. Este é declarado pelo próprio Deus no Evangelho de João. [9] A declaração acima mencionada do papa contradiz de alguma forma a palavra de Deus em si. E, como escreveu São Paulo, é somente em Cristo [10] e através do Espírito Santo, que é derramado em nosso coração que podemos dizer "Abba, Pai". Com base na palavra de Deus, é absolutamente claro. Claro, Cristo derramou Seu sangue para redimir a todos, cada ser humano. Este objectivo é resgate. E, portanto, cada ser humano pode se tornar um filho de Deus, quando ele subjetivamente aceita a Cristo pela fé e batismo. Portanto, temos de fazer essas diferenças absolutamente claro.


NEOCATECUMENAL WAY É UMA COMUNIDADE PROTESTANTE-JUDAICA

Mr. Fülep: Enquanto a tradição é perseguido , existem alguns novos movimentos modernos que são altamente compatíveis. Um deles é a comunidade de Kiko. Qual é a sua opinião sobre o Caminho Neocatecumenal ? [11]

Sua Excelência Dom Schneider: Este é um fenômeno muito complexo e triste. Para falar abertamente: é um cavalo de Tróia na Igreja. Eu os conheço muito bem, porque eu era um delegado episcopal para eles durante vários anos no Cazaquistão, em Karaganda. E eu assistida suas missas e reuniões e leio os escritos de Kiko, seu fundador, assim eu os conheço bem. Quando eu falar abertamente, sem diplomacia, tenho de estado: O Neocathecumenate é um protestante-judaica [12] comunidade dentro da Igreja com apenas uma decoração Católica. O aspecto mais perigoso é sobre a Eucaristia, porque a Eucaristia é o coração da Igreja. Quando o coração está em um mau caminho, todo o corpo é de uma maneira ruim. Para o Neocatecumenato, a Eucaristia é primariamente um banquete fraternal. Este é um protestante, uma atitude tipicamente luterana. [13] Eles rejeitam a idéia e o ensino da Eucaristia como um verdadeiro sacrifício. Eles ainda sustentam que o ensino tradicional de e crença em, a Eucaristia como um sacrifício não é cristã, mas pagã. [14]Isto é completamente absurdo, este é tipicamente luterana, protestante. Durante suas liturgias da Eucaristia eles tratam do Santíssimo Sacramento de uma forma tão banal, que às vezes se torna horrível. [15] Eles se sentam ao receber a Sagrada Comunhão, e, em seguida, eles perdem os fragmentos porque eles não cuidar deles, e depois da comunhão que dançar em vez de orar e adorar Jesus em silêncio. Isto é realmente mundana e pagã, naturalista.

Mr. Fülep: O problema pode ser não apenas prático ...

Sua Excelência Dom Schneider: O segundo perigo é a sua ideologia. A idéia principal do Neocathecumenate de acordo com seu fundador Kiko Argüello é o seguinte: a Igreja tinha uma vida ideal apenas até Constantino, no século 4, só que desta era efetivamente a verdadeira Igreja. E com Constantino a Igreja começou a se degenerar: degeneração doutrinal, litúrgica e degeneração moral. [16] E a Igreja chegou ao fundo do poço desta degeneração da doutrina e da liturgia com os decretos do Concílio de Trento. No entanto, contrariamente à sua opinião, o oposto é verdadeiro: esse foi um dos destaques da história da Igreja por causa da clareza da doutrina e disciplina. De acordo com Kiko, a idade escura da Igreja durou desde o século 4 até que o Concílio Vaticano II. Foi somente com o Concílio Vaticano II que a luz entrou na Igreja. Esta é uma heresia, porque isso é para dizer que o Espírito Santo abandonaram a Igreja. E isso é realmente sectária e muito em linha com Martin Luther, que disse que até ele a Igreja tinha sido na escuridão e foi somente através dele que havia uma luz na Igreja. A posição de Kiko é fundamentalmente o mesmo só isso Kiko postula o tempo escuro da Igreja de Constantine a do Vaticano II. Então, eles interpretam mal o Concílio Vaticano II. Eles dizem que eles são apóstolos do Vaticano II. Assim, eles justificar todas as suas práticas heréticas e ensinamentos com o Vaticano II. Este é um abuso de sepultura.

Mr. Fülep: Como poderia esta comunidade ser admitido oficialmente pela Igreja?

Sua Excelência Dom Schneider: Esta é uma outra tragédia. Eles estabeleceram um poderoso lobby no Vaticano, pelo menos, trinta anos atrás. E não há outro engano: em muitos eventos que apresentam muitos frutos de conversão e muitas vocações para os bispos. Um grande número de bispos estão cegos pelos frutos, e eles não ver os erros, e não examiná-los. Eles têm famílias grandes, eles têm um monte de crianças, e eles têm um alto padrão moral na vida familiar. Isto é, claro, um bom resultado. No entanto, há também um tipo de comportamento exagerada para pressionar as famílias para obter um número máximo de crianças. Este não é saudável. E eles dizem, estamos aceitando Humanae Vitae , [17] e este é, naturalmente, bom. Mas no final isso é uma ilusão, porque também há um monte de grupos protestantes hoje no mundo, com um alto padrão moral, que também tem um grande número de crianças, e que também ir e protestar contra a ideologia de gênero, a homossexualidade e que também aceitar Humanae Vitae . Mas, para mim, isso não é um critério decisivo da verdade! Há também um monte de comunidades protestantes que se convertem um monte de pecadores, pessoas que viviam com vícios como o alcoolismo e drogas. Assim, o fruto de conversões não é um critério decisivo para mim e eu não vou convidar este bom grupo protestante que converte os pecadores e tem um monte de crianças na minha diocese para se envolver em apostolado. Esta é a ilusão de muitos bispos, que estão cegos pela os chamados frutos.

Mr. Fülep: O que é a pedra quoin da doutrina?

Sua Excelência Dom Schneider: A doutrina da Eucaristia. Este é o coração. É um erro olhar primeiro para os frutos e ignorar ou não cuidar da doutrina e da liturgia. Estou certo de que chegará o momento em que a Igreja objetivamente examina esta organização em profundidade sem a pressão dos lobbies do Caminho Neocatecumenal, e seus erros na doutrina e liturgia vai realmente sair.


CRISTO É O ÚNICO REDENTOR

Mr. Fülep: Cinquenta anos atrás, a Declaração Nostra aetate [18] do Concílio Vaticano II foi promulgado. O seu quarto artigo apresenta a relação entre a Igreja Católica e o povo judeu em um novo quadro teológico. Esta escrita é um dos documentos conciliares mais problemáticos e controversos, entre outras coisas, por causa de declarações sobre os judeus. E agora para esta semi-centenário um novo documento [19] foi escrito pelo cardeal Kurt Koch, em nome da Santa Sé, onde se pode ler que "a Igreja Católica não realiza nem apoia qualquer trabalho missão institucional específica dirigida para judeus." [ 20] é comando da missão de Jesus [21] já não é válida?

Sua Excelência Dom Schneider: É impossível, porque seria absolutamente contrário à palavra de Cristo. Jesus Cristo disse: " Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel " (Mt 15,24) e sua missão continua, ele não aboliu isso Ele disse que ".. Ir a todas as nações e torná-los meus discípulos " [22] , em vez de" ir a todas as nações, com exceção dos judeus ". a declaração acima implica isso. isso é um absurdo. isso é contra a vontade de Deus e contra toda a história da vida da Igreja em dois mil . anos a Igreja sempre pregou a todos, independentemente da sua nação e religião Cristo é o único Redentor Hoje os judeus rejeitam a aliança de Deus Há apenas uma aliança de Deus:... a Antiga aliança foi apenas preparatório e conseguiu o seu objetivo na . do Novo e Eterno convênio é também o ensinamento do Concílio Vaticano II: " a principal finalidade a que o plano da antiga aliança foi dirigido era para se preparar para a vinda de Cristo. Deus, inspirador e autor de ambos os Testamentos, dispôs tão sabiamente as que o Novo Testamento está latente no Antigo e o Antigo está patente no Novo "(Dei Verbum, 15-16). The Jewish rejeitou esta aliança divina, uma vez que Jesus lhes disse: " Quem me odeia também odeia o meu Pai " (Jo 15,23) Estas palavras de Jesus ainda são válidas para os judeus de hoje:. " O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão "(Mc 13,31). E Jesus disse que se você não me aceitar, você não pode ir ao Pai. [23] Quando os judeus de hoje rejeitam a Cristo, eles rejeitam o Pai e o seu pacto, também. Porque não é em última instância uma aliança única, não dois convênios: foi o Antigo ao Novo Pacto. Porque há um só Deus, não existem dois deuses: um Deus do Velho Testamento, e de um Deus do Novo Testamento. Esta é uma heresia gnóstica. Esta é a doutrina dos fariseus e do Talmud. Hoje, o judaica são os discípulos Talmudistas dos fariseus, que rejeitaram a Aliança de Deus em sua nova e eterna aliança. No entanto, os poucos judeus no Antigo Testamento - os profetas, Abraão e Moisés - aceitaram a Cristo. Jesus disse isso, por isso temos de apontá-lo para fora, também.

Mr. Fülep: Enquanto o Nostra Aetate intimamente relacionado com João Paulo II chamou os judeus "irmãos mais velhos", o Papa Bento XVI usou a forma "pais na fé". Mas os judeus do judaísmo do Antigo Testamento e do Talmud são duas coisas bem diferentes, não são?

Sua Excelência Dom Schneider: Sim, claro. Infelizmente, essas expressões de estes dois papas também estão em algum grau ambígua. Eles não são claras. Então, quando estas palavras são no sentido de que os judeus são nossos irmãos mais velhos, temos que salientar que só os judeus do Antigo Testamento - os profetas, Abraão e todos os santos do Antigo Testamento - são nossos irmãos mais velhos. Isso é correto, porque eles já aceitaram a Cristo, não explicitamente, mas a nível dos prefiguras e símbolos, e de Abraão, até explicitamente, como o próprio Cristo disse: " Seu pai Abraão alegrou-se com o pensamento de ver o meu dia; viu-o e ficou feliz "(João 8,56). Mas como podemos dizê-lo sobre os judeus de hoje do Talmud que rejeitam a Cristo e não têm fé em Cristo e da Santíssima Trindade? como eles podem ser nossos irmãos mais velhos se eles não têm fé em Cristo? o que que é suposto para me ensinar? Eu tenho fé em Cristo e da Santíssima Trindade. Mas eles rejeitam a Santíssima Trindade, para que eles não têm fé. por isso, eles nunca pode ser meus irmãos mais velhos na fé.


DIÁLOGO COM O ISLÃ

Mr. Fülep: O Islã é a religião mais comumente praticado no Cazaquistão. [24] Tradicionalmente, os cazaques étnicos são muçulmanos sunitas . Qual é a sua experiência sobre o diálogo com eles? Islam é dito ser semelhante ao cristianismo ou o judaísmo, porque eles acreditam em um Deus, assim o monoteísmo é suposto ser a base da conversa. Mas é realmente assim? É possível estabelecer um diálogo teológico profunda com eles? Allah é o mesmo que a Santíssima Trindade? Há alguma base do diálogo teológico se o Islã odeia a fé da Encarnação?

Sua Excelência Dom Schneider: Há também uma certa confusão quando se diz que os judeus, os muçulmanos e os cristãos seguem religiões monoteístas. Isto é bastante confuso. Por quê? Porque nós, os cristãos sempre acreditar não só em um só Deus, mas no Deus Uno e Trino, em Deus, a Santíssima Trindade. Nós não acreditamos apenas em um Deus como toda a pessoa humana pode por a luz da razão natural. Os judeus e os muçulmanos acreditam em um Deus que é apenas uma pessoa. Isto é heresia, isso não é verdade. Deus não é uma pessoa, Deus é três pessoas. E o que é mais, eles não têm fé, porque eles só acreditam que Deus é um só, mas isto não requer fé, única razão natural. Não é o dogma de fé que afirma que pela luz natural da razão natural cada pessoa pode reconhecer que Deus é um só. Temos uma fé sobrenatural, e esta é uma diferença substancial.

Objetivamente, Deus, que é conhecido através da razão, é, naturalmente, a Santíssima Trindade. Mas os judeus e os muçulmanos não aceitam a Santíssima Trindade. Portanto, não podemos orar juntos, porque seu culto manifesta a sua convicção de que existe um só Deus, uma só pessoa. Mas nós, os cristãos sempre adorar a Deus em três pessoas. Sempre. Portanto, não podemos realizar o mesmo culto. Não seria verdadeiro. Seria uma contradição e uma mentira.

Mr. Fülep: Isso quer dizer que as duas Jornadas Mundiais de Oração pela Paz em Assis [25] representava uma contradição escandalosa?

Sua Excelência Dom Schneider: Infelizmente, as Jornadas Mundiais da oração, que se realizaram em Assis contido e manifestou uma confusão sobre a diferença substancial entre a oração dos cristãos, que é sempre dirigida à Santíssima Trindade e da oração de pessoas que reconhecem a Deus como o Criador e uma pessoa pela luz da razão natural e adorá-Lo de acordo com a razão natural. O aspecto mais grave nas reuniões de oração inter-religioso em Assis foi, no entanto, o fato de que também participaram representantes de religiões politeístas, que realizavam seu culto dirigido para os ídolos, portanto, praticou uma idolatria real, que é o maior pecado de acordo com a Sagrada Escritura.


A MIGRAÇÃO É ARTIFICIALMENTE PLANEJADA E PROGRAMADA

Mr. Fülep: Qual é o seu próprio ponto de vista sobre a crise migratória na Europa? Qual é a boa atitude Católica para ele?

Sua Excelência Dom Schneider: Este é mais ou menos uma questão política. Não é a primeira tarefa dos bispos para fazer declarações políticas. Mas como uma pessoa privada, e não como bispo, eu diria que a chamada "migração" é artificialmente planejada e programada, pode-se mesmo falar de uma espécie de invasão. Alguns poderes políticos globais já preparou anos atrás, criando confusão e guerras no Oriente Médio por "ajudar" estes terroristas ou não opor-los oficialmente, assim - de uma forma - eles contribuíram para esta crise. Transferir uma tal massa de pessoas, que são predominantemente muçulmanos e pertencem a uma cultura muito diferente, para o coração da Europa é problemática. Assim, existe um conflito programados na Europa e na vida civil e política é desestabilizada. Este deve ser evidente para todos.


A IGREJA E A RÚSSIA

Mr. Fülep: Gostaria de perguntar-lhe sobre a ortodoxia russa e Rússia. Você sabe que a igreja ortodoxa russa, a sua vida e mentalidade muito bem. O próximo ano será o 100º aniversário de Fátima. Rússia sem dúvida não foi consagrado sem rodeios ao Imaculado Coração de Maria e é conhecido por não ter convertido a Deus. [26]

Sua Excelência Dom Schneider: Bem, nós sabemos o texto que João Paulo II publicou. Por isso, foi de alguma forma a consagração da Rússia, o que definitivamente não era uma explícita. No texto, ele falou dos países e nações que não necessitam desta consagração e que Maria queria ser consagrado a ela. No era uma alusão a Fátima, é claro. Então, eu diria que foi uma consagração indirecta da Rússia. Mas eu acho que também deve ser feito de forma explícita mencionando especificamente Rússia. Portanto, espero que seria feito no futuro.

Mr. Fülep: A Tradição Católica e da liturgia católica santa em antiquior usus poderia ajudar verdadeiro ecumenismo com a Ortodoxia. Mas, infelizmente, eles ficam horrorizados com a visão do usus moderna Latina. Eles dizem que nós somos como protestantes. Isto é trágico, se pensarmos sobre a Tradição Apostólica comum, que pode ser encontrada na raiz do latim e liturgias gregas. Isso promover o diálogo eficiente com as igrejas orientais sem tradição católica?

Sua Excelência Dom Schneider: É claro, isso é verdade. Muitas vezes eu tenho contato com clero ortodoxo e dizem-me. Esta forma de celebração para com as pessoas, usando as mulheres como leitores, por exemplo, é mais semelhante ao culto protestante. O sacerdote e os fiéis formam um círculo fechado, a celebração é como uma reunião e uma conferência, e também os aspectos informais durante a Missa são contra a tradição católica e apostólica, que temos em comum com a igreja ortodoxa. Então é verdade e estou convencido de que quando voltar para a liturgia tradicional ou, pelo menos, comemorar a nova ordem da Missa de uma forma tradicional, chegaremos mais perto de nossos irmãos ortodoxos, também, pelo menos ao nível litúrgico. Em 2001, João Paulo II escreveu uma carta à Congregação para o Culto Divino, no qual incluiu uma frase muito interessante. Ele falou sobre a liturgia romana tradicional, que é altamente venerado e tem semelhanças com as liturgias orientais veneráveis. [27]

Mr. Fülep: Papa Francis e o patriarca ortodoxo russo Kirill de Moscou e Toda a Rússia reuniu-se em Havana, Cuba, em 12 de fevereiro de 2001 a assinar uma declaração conjunta histórica. [28] Este documento inclui 30 pontos, com apenas 3 referindo-se a questões teológicas, o resto para a paz mundial, as questões sociais, proteção da vida, o casamento, a protecção do ambiente e da liberdade religiosa. Qual é o significado deste encontro?

Sua Excelência Dom Schneider: O próprio fato de que um pontífice romano e um patriarca russo se reuniu pela primeira vez na história tem um significado especial. No nível humano e psicológico tal reunião removido desconfiança mútua séculos de idade e alienação. Portanto, neste sentido, foi uma reunião importante. As questões teológicas, no entanto, foram quase totalmente excluída. As circunstâncias do encontro teve também uma dimensão claramente política. Esperamos que a Divina Providência vai usar esta reunião para uma unidade futuro na totalidade da fé católica.


TEMOS DE NOS ARREPENDER NOSSOS PECADOS

Mr. Fülep: Papa Francis abriu a Iubilaeum Extraordinarium Misericordiae [29] , que é um período de oração realizada a partir da Festa da Imaculada Conceição (8 de dezembro) de 2015 à Festa de Cristo Rei (20 de novembro) de 2016. Nós pode ouvir um monte de ensinamentos e meditações sobre misericórdia. Como você interpreta a misericórdia de Deus?

Sua Excelência Dom Schneider: A misericórdia de Deus é o seu amor por nós. E a misericórdia de Deus nos foi revelado quando ele veio até nós e se tornou um de nós. É o inefável misericórdia de Deus que ele decidiu tornar-se homem e nos redimiu na cruz. A misericórdia de Deus reside no fato de que ele está sempre pronto para nos perdoar quando nos arrependemos sinceramente o nosso pecado. O próprio Jesus disse a Pedro quando ele perguntou-lhe: [30]"Quando meu irmão pecar contra mim, eu vou perdoá-lo sete vezes", e Jesus disse, " não sete vezes, mas até setenta vezes sete", isto é, cada vez que seu irmão sinceramente lhe pede perdão. Sempre que pedimos a Deus para perdoar os nossos pecados, não importa quão grande e horrível que é, ele nos perdoará, desde que nos arrependamos deles sinceramente, ou seja, estamos prontos para evitá-los no futuro. Mas, infelizmente, o grupo do cardeal Kasper e esses clérigos que apóiam sua teoria, interpretam mal e abusam do conceito de misericórdia, introduzindo a possibilidade de que Deus perdoa, mesmo quando não temos a firme intenção de arrepender-se e evitar o pecado no futuro. Em última análise, isso significa uma completa destruição do verdadeiro conceito de misericórdia divina. Tal teoria diz: você pode continuar para o pecado, Deus é misericordioso. Isto é uma mentira e de uma forma também um crime espiritual, porque você está empurrando os pecadores para continuar para o pecado, e ser, consequentemente, perdido e condenado por toda a eternidade.

Mr. Fülep: Qual é a conexão entre a misericórdia de Deus e da Eucaristia? É o Santíssimo Sacramento o principal sinal da misericórdia de Deus, como ele deu a si mesmo vere, Realiter et substantialiter? [31]

Sua Excelência Dom Schneider: Claro que é. É assim porque a Santa Eucaristia é o sacramento da Cruz de Cristo, o sacramento do seu sacrifício, que se torna presente em cada Santa Missa. O ato de nossa redenção se torna presente, que é o maior ato de misericórdia de Deus. Assim, a Eucaristia é uma demonstração e proclamação da misericórdia viva de Deus para nós. Mas a Eucaristia contém não só o sacrifício de Cristo, mas também a pessoa do próprio Cristo. Seu corpo e alma são realmente presente e esta é a realidade mais sagrado e santo que temos aqui na terra. Nós só pode se aproximar do Santo como um pecador público, que disse: "Ó, meu Senhor, eu não sou digno, mas cura-me, purifica-me!" Assim, a Eucaristia é também a manifestação da misericórdia de Deus, que exige que devemos ser previamente purificado e lavou dos nossos pecados. o sacramento principal e adequada de misericórdia é, no entanto, o sacramento da penitência. a Eucaristia é a manifestação da misericórdia de Deus, e isso exige necessariamente o sacramento específico de misericórdia, que é . do sacramento da penitência, de modo que a alma deve ser purificado o portão para a misericórdia é o sacramento da penitência: esta é a porta aberta do coração de Jesus, quando, durante a absolvição sacramental não flui do coração de Jesus, seu sangue, o que purifica o pecador. a Santa Missa contém em si a fonte de todos os outros sacramentos e essa fonte é o sacrifício da Cruz.

O ESPÍRITO SANTO É MAIS FORTE

Mr. Fülep: O motu proprio Summorum Pontificum [32] será de dez anos de idade no próximo ano. Vossa Excelência tem seguido como essa lei papal é observado em todo o mundo. Como você avalia a situação?

Sua Excelência Dom Schneider: É claro que, como resultado do motu proprio, a liturgia tradicional começou a se espalhar lentamente, mas muito fortemente. Tal movimento não pode mais ser parado. Ele já é tão forte, especialmente nas jovens gerações: os jovens, seminaristas, jovens famílias. Eles querem experimentar a beleza da fé católica através desta liturgia, e este é para mim um verdadeiro sinal da obra do Espírito Santo, porque isso está se espalhando tão naturalmente e lentamente, sem a ajuda das estruturas oficiais da Igreja, sem a ajuda da nomenclatura. Muitas vezes, esse movimento tem de enfrentar até mesmo a oposição dos representantes oficiais da Igreja. Independentemente da obstrução por parte da burocracia eclesiástica, está crescendo e se espalhando, e este é para mim a obra do Espírito Santo. E o Espírito Santo é mais forte do que alguns bispos e cardeais e algumas estruturas eclesiásticas bem estabelecidos.


"LEX CREDENDI - LEX ORANDI - LEX VIVENDI"

Mr. Fülep: T aqui estão muitos tradicionalistas que vêem só a beleza da liturgia, e eles não se preocupam com a doutrina. Formalismo, ritualismo e perfeccionismo são muito perigosos porque estes erros separar doutrinária verdade, vida e liturgia. Como podemos evitar estes problemas?

Sua Excelência Dom Schneider: Não é o princípio básico Católica que diz: "Lex credendi est lex orandi". Isso significa, que a lei da fé, a verdade católica tem de ser expresso na lei da oração, na adoração pública da Igreja. [33] Os textos e os ritos da liturgia tem que refletir a integridade e beleza da fé católica e as verdades divinas. Quando amamos a beleza da liturgia, sua forma tradicional, que deve ser tocado em nossa alma e em nossa mente o amor da verdade católica mais e vivê-los em nossa vida cristã diária. Um verdadeiro católico tem de amar primeiro a integridade da fé, e deste amor vem a integridade da liturgia e deste amor vem a integridade moral. Assim, poderíamos expandir o tradicional provérbio axioma:. "Lex credendi - lex orandi - lex vivendi" O cuidado e a defesa da integridade da fé católica tem de ser feito, no entanto, sempre de acordo com o princípio "ecclesia sentire cum", isto é, com respeito e amor.


"NON POSSUMUS!"

Mr. Fülep: Durante o tempo de João Paulo II, a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos emitiu uma instrução intitulada "Redemptionis Sacramentum" sobre algumas coisas que se devem observar e evitar acerca da Santíssima Eucaristia. [34] este documento estabelece que "o que vai comungar, quer receber o Sacramento na mão, em áreas onde a Conferência Episcopal com o reconhecimento da Sé Apostólica concedeu a permissão, o anfitrião sagrado é para ser administrado a ele ou ela. no entanto , deve ser tomado cuidado especial para garantir que o anfitrião é consumido pelo comunicante na presença do ministro, de modo que ninguém vai embora levando as espécies eucarísticas em sua mão. Se houver perigo de profanação, em seguida, a Sagrada Comunhão não deve ser dada na mão para os fiéis. " [35] Cremos na doutrina da presença real do Senhor Jesus Cristo no da Santa Eucaristia. para dar o Santíssimo Sacramento na mão corre o risco de cair pequenos fragmentos do mesmo e profanizing a maioria Santo. [36] do livro de Vossa Excelência sabemos que a antiga prática era absolutamente diferente da forma protestante atual. Quando solicitado a dar a Sagrada Comunhão na mão, é "non possumus" a única resposta adequada dos sacerdotes, diáconos ou ministros extraordinários ? [37]

Sua Excelência Dom Schneider: Sim. I concordo completamente com isso. Não tenho nada a acrescentar, porque isso é tão evidente. Em primeiro lugar, temos que defender nosso Senhor. Esta é uma questão de fato que quase durante cada distribuição da Sagrada Comunhão na mão há um perigo real de perda de fragmentos. Portanto, não podemos dar a Sagrada Comunhão na mão. Isso é muito perigoso. Temos de decidir para proteger e defender nosso Senhor. A lei da Igreja é subordinado ao bem da Igreja. E, neste caso a letra da lei - o que permite dar a Comunhão na mão - está causando grande dano espiritual à Santíssima na Igreja, isto é, nosso Senhor na Eucaristia. Então, dando a Comunhão na mão é perigoso e danificar a Igreja. Portanto, não podemos seguir esta lei. Na prática, é, obviamente, difícil, porque em alguns lugares as pessoas já estão acostumados a tomar a Sagrada Comunhão na mão. No entanto, devemos explicar isso a eles anteriormente com muita convicção e amor, e, geralmente, a maioria vai aceitá-lo. Então nós temos que fazer o nosso melhor para conseguir isso.

Mr. Fülep: E se os superiores não permitem seminaristas, acólitos ou ministros extraordinários para fazê-lo?

Sua Excelência Dom Schneider: Eu preferiria não dar a Comunhão na mão. E se o superior me obrigou a fazê-lo, eu diria: "Eu não posso" Eu tenho que dizer ao superior que tenho a consciência, também..


REGNUM EUCHARISTICU

Mr. Fülep: . Ao longo dos últimos dias Vossa Excelência teve a oportunidade de conhecer a nata dos católicos tradicionais húngaras e sacerdotes tradicionais húngaras em suas conferências e Santa Missa Nós visitou o Parlamento e orou em frente ao Santo Húngaro Crown e o Santo mão direita do Rei Santo Estêvão. Qual é a sua impressão do Regnum Marianum? [38]

Sua Excelência Dom Schneider: É um país tão bonito! Eu vejo essas belas aldeias e igrejas em toda parte! Esta viagem mostra-me que este é um país católico. E eu espero que os húngaros será fiel ao Regnum Marianum de modo a que o seu país pode realmente ser governado por Nossa Senhora. E o reino de Cristo é sempre realizada através de Maria. Então, quando você é um Regnum Marianum , o seu deve ser uma Regnum Eucharisticum também. Desejo que o amor, reverência e defesa de nosso Senhor eucarístico e também cresceu na Hungria.


NOTAS DE RODAPÉ POR DANIEL FÜLEP

...

[Mensagem cortada]  Exibir toda a mensagem