quarta-feira, 8 de agosto de 2018

A nomeação do herético Tolentino para «arcebispo» pelo falso papa Bergoglio


Dois heréticos: o falso papa nomeia o falso arcebispo.

José Lemos

A nomeação do herético Tolentino para «arcebispo» pelo falso papa Bergoglio está a gerar nos meios católicos internacionais os comentários que se esperariam.

Quem é JoséTolentino de Mendonça?

*   É um dito padre madeirense totalmente de linha herética, que passa nos meios esquerdistas e maçónicos de dentro e de fora da Igreja como sendo um grande poeta e intelectual.

*  Pertence ao grupo de Bento Domingues e está ligado à maçonaria eclesiástica.

*  Está ligado ao «Nós Somos Igreja», grupelho internacional «progressista», esquerdista, antifamília, feminista e apoiante do homossexualismo.

*  Tem sido um dos propagandistas destas ideias nos meios de comunicação oficiais da Igreja em Portugal, especialmente nos da cultura.

*  Tem exercido funções na Universidade Católica, outra instituição infestada de liberais e maçons.

*  Era até aqui, em Roma, colaborador da cultura do maçónico cardeal Ravasi, juntamente com o homossexual e maçónico bispo Carlos Azevedo (este estava na linha de sucessão do maçom Policarpo, do que foi afastado durante o pontificado de Bento XVI por ter sido tornada pública a sua homossexualidade; por esta razão é que o sucessor de Policarpo foi D. Manuel Clemente, que previamente tinha sido chutado para o Porto pelo Policarpo para não fazer sombra ao Azevedo).

*  O seu descaramento no apoio aos grupos feministas e homossexualistas permitiu-lhe prefaciar o livro da herética freira catalã e espécie de bloquista Teresa Forcades A Teologia Feminista na História, que qualifica de «espantosa obra».

Este é o «arcebispo» do «papa» Bergoglio. Ecce homo.

Perante as reacções de católicos no mundo, quem terá vindo em Portugal, com toda a prontidão, defender o herético Tolentino? Pois outro não poderia ser senão o serviçal Filipe Avilez, um assalariado da hierarquia corrompida.

De notar ainda a este propósito que Bergoglio passa por ser um opositor à podridão de certos padres. Assim se vê: «Pelos frutos os conhecereis.»(Mateus, 7,15-20).

Tolentino com a  herética Teresa Forcades





terça-feira, 31 de julho de 2018

Balanço sobre acção de Bergoglio


Bombástica investida contra um período polémico

Carlos Vitor Valiense, IPCO, 26 de Julho de 2018

No dia 23 Junho foi lançado na capital italiana o livro redigido por José Antonio Ureta[1] com o título «A ‘mudança de paradigma’ do Papa Francisco: Continuidade ou ruptura na missão da Igreja? – Balanço quinquenal do seu pontificado».

Para muitos uma bombástica investida para esclarecer pontos essências da nossa fé que continuamente vem sendo vilipendiada de uma forma bruta, ou pior ainda causando uma confusão que chega até à perda da fé.

Cada vez mais estamos infectados com o relativismo, essa doença do século é feita das mais frágeis aparências de verdade, não se tem a certeza de nada tornando a verdade algo subjectivo. Entretanto, no caso teológico, a Verdade revelada é infalível e indiscutível, pois a fé é uma certeza e não comporta dúvidas ou meras opiniões.

Sem em nenhum momento perder o devido respeito à dignidade Petrina, J.A. Ureta procurou da melhor e mais respeitosa maneira expor a presente tormenta pela qual atravessa a Igreja e que se manifesta em actos desconformes com a tradição e com os ensinamentos dos pontífices anteriores. Com o direito que os leigos recebem da Igreja pelo Baptismo, o autor apresenta tais problemas e mostra, em cada caso, quais são as desconformidades com a Doutrina e o ensinamento de sempre.

Sobre o protagonismo leigo, no canal do Youtube Sua Excelência Reverendíssima Dom Henrique Soares da Costa bispo da Diocese de Palmares, PE, em programa do dia 04/05/2018 diz: «Que os leigos são povo de Deus e tem direito de falar. Tanto falar privadamente como falar na internet, falar nas redes sociais, isso é um direito dos leigos. Quanto aos leigos fazerem criticas a coisas da Igreja também é um direito deles. Temos que reconhecer que é um direito que brota do Baptismo, da Crisma e da Eucaristia, é um direito Divino. Como é um direito do bispo e dever do bispo pastorear o rebanho. Então a única coisa que eu chamo a atenção é que essas coisas sejam feitas primeiro com Amor. Temos de olhar sempre o nosso coração, vigiar sempre para que as nossas palavras sejam motivadas pelo amor a Cristo, pelo sentido do Evangelho, nunca pelo ódio, pela revanche por querer se sobrepor. Então, discernir os espíritos para ver se são de Deus. Essa é a primeira coisa.

A segunda coisa falar com responsabilidade, porque quando algo cai na rede e não é depurado, é uma injustiça. Temos que perguntar: «Isso aqui vai edificar ou isso vai desconstruir?». Isso vai ajudar a Igreja a se purificar e crescer, a Igreja vai sempre precisar de purificação. Ela é santa! Ela não é santa e pecadora! A Igreja é só santa, na sua essência. Mais ela é formada por pessoas imperfeitas que têm as suas falhas, as suas feridas, as suas ideologias, as suas coisas, as suas manias, as suas imperfeições. Então, os pastores também são passíveis de criticas, também não estamos a cima do bem e do mal. Agora a gente tem que se perguntar: «isso que estou colocando vai edificar ou não?». Ai é rezar mesmo e procurar discernir e procurar orientação de alguém que possa com sabedoria orientar.

Terceira coisa: Ainda que eu tenha que fazer alguma critica eu devo fazê-la com respeito, com a ponderação que se espera de um cristão. E, sobretudo quando essa critica é aos pastores da Igreja, então que se faça com respeito e com aquela moderação que se espera. E quanto aos pastores às vezes doe escutar algumas coisas e sobretudo quando a gente não se vê muito naquela critica, acha que é injusta, mais faz parte do nosso pastoreio também ouvir isso e procurar fazer um exame de consciência. Então eu acho que sem paixão e com a serenidade se pode sempre tirar proveito dessas coisas.

E quanto aos leigos acho bonito quando eles agem como leigos […] Espero ter ficado claro quanto a isso. Os leigos têm esse direito, não é dado pelo bispo, como o meu sacramento não é dado pelos leigos, esse direito dos leigos não é dado pelo bispo é concedido pelo Sacramento do Baptismo, da Crisma e da Eucaristia, é direito divino: «recebeste a unção dos santos», diz a primeira carta de São João.

«Rezemos pela Igreja, é um período bem turbulento, mas faz parte, pode ser sinal de crescimento e de que não estamos mortos. É o que eu posso dizer.»[2]

Amor, respeito e ponderação cristã, assim o estimado sucessor dos Apóstolos resumiu a forma como um leigo se deve referir quando faz alguma critica a tão nobre instituição que é a Santa Igreja. Não nos convém aqui usar do corriqueiro e destruidor politicamente correcto e sim do respeito e amor ao santo magistério.

As presentes observações deste período turbulento são pontuados no livro nos seguintes tópicos:
  • O retraimento pastoral dos valores não negociáveis!!
  • Promoção da agenda neomarxista e altermundialista dos movimentos sociais.
  • Promoção da agenda verde, da governança mundial e de uma mística ambígua em relação à Mãe Terra.
  • Favorecimento da imigração e do Islão. Parcimónia em relação aos cristãos perseguidos do Médio Oriente.
  • Indiferentismo religioso, relativismo filosófico e evolucionismo teológico.
  • Uma nova moral subjectiva, sem imperativos absolutos.
  • Mudança de paradigma num caso concreto: o acesso à comunhão aos divorciados recasados.
  • O denominador comum da mudança de paradigma: adaptar-se à Modernidade revolucionária e anticristã.
  • O reverso da medalha: a simpatia dos poderes mundanos e de correntes anticristãs.
Epístola aos Gálatas, II, 11 Mas, tendo vindo Cefas a Antioquia, eu lhe resisti na cara, porque merecia repreensão. 12 Porque, antes que chegassem alguns de Tiago, ele comia com os Gentios; mas, depois que eles chegaram, retirava-se e separava-se (dos Gentios), com receio dos que eram circuncidados. 13 E os outros Judeus imitaram-no na sua dissimulação, de sorte que até Barnabé foi induzido por eles àquela simulação. 14 Porém eu, tendo visto que eles não andavam direitamente, segundo a verdade do Evangelho, disse a Cefas, diante de todos: Se tu, sendo Judeu, vives como Gentio e não como Judeu, porque obrigas os Gentios a judaizar? 






A abertura irresponsável às imigrações, adesão total às esquerdas, omissão em reprovar o aborto, feminismo dogmático, invasão de terras, multiculturalismo, ecologismo psicótico, globalismo, favorecimento do islão, apoio tácito à revolução homossexual, desculpabilização do adultério, são os mais pontuados temas da agenda pontifícia durante os cinco anos de pontificado.

O Sr Ureta não só pontua os erros como busca uma solução para estes presentes problemas da mais estrita influência da revolução dentro da Igreja, a melhor forma de combate é o ataque contra a revolução nos meios eclesiais, é a resistência e a não adesão aos erros.

Assim, segundo o referido livro, o que devemos fazer? —«Cumpre recusar essa falsa alternativa, reconhecendo o Papa Francisco como o Vigário de Cristo da Terra e os nossos bispos diocesanos como sucessores dos Apóstolos, mas sem deixar por isso de «resistir-lhes em face», como São Paulo resistiu a São Pedro.

Na confusão actual, que corre o risco de se agravar num futuro não longínquo, uma coisa é certa: os católicos fiéis ao seu baptismo jamais tomarão a iniciativa de romper o laço sagrado de amor, de veneração e de obediência que os une ao sucessor de Pedro e aos sucessores dos Apóstolos, ainda que esses possam eventualmente oprimir as suas consciências e autodemolir a Igreja. Se, abusando do seu poder e procurando forçá-los a aceitar os seus desvios, tais prelados vierem a condená-los por causa da sua posição de fidelidade ao Evangelho e de resistência à autoridade, serão esses pastores, e não os católicos fiéis, os responsáveis por essa ruptura, tal como aconteceu com Santo Atanásio — vítima de um abuso de poder, mas estrela no firmamento da Igreja».[3]

https://www.youtube.com/watch?v=h0svTM9eDLs&t=194s

Notas:

[1] José Antonio Ureta nasceu em Santiago do Chile em 1951. Pesquisador, conferencista e escritor, reside há algumas décadas na Europa e tem como área de interesse questões relacionadas com a Igreja e a Civilização cristã, na esteira do pensamento de Plinio Corrêa de Oliveira, sintetizado na sua obra-mestra Revolução e Contra-Revolução.

[2] https://www.youtube.com/watch?v=h0svTM9eDLs Transcrição das palavras de Dom Henrique sobre o protagonismo leigo.

[3https://ipco.org.br/a-mudanca-de-paradigma-do-papa-francisco-continuidade-ou-ruptura-na-missao-da-igreja/#.W2F4pWaWw6U 





quarta-feira, 11 de julho de 2018

Padre explica como Amoris Laetitia foi realmente escrito para «normalizar» a homossexualidade

A homosexual couple is received by a priest in a 2017
video promoting Fr. James Martin's pro-LGBT book «Building a Bridge.»

Nota do editor: Esta análise foi escrita por um padre que pediu que fosse publicada anonimamente por preocupação de ser punido por levantar preocupações sobre um documento papal.

Tradução automática. Original inglês:
https://www.lifesitenews.com/opinion/priest-explains-how-amoris-laetitia-was-really-written-to-normalize-homosex

ANÁLISE

14 de maio de 2018 – Eu disse isso desde o começo, quando Amoris Laetitia foi publicado pela primeira vez, com seu infame Capítulo 8 que permite que a consciência individual supere a lei moral objetiva e, assim, elimine efetivamente a noção de mal moral intrínseco: A questão não é a Sagrada Comunhão para os divorciados e civilmente recasados. Afinal, o Papa Francisco já havia racionalizado o processo de anulação, para permitir declarações de nulidade que geralmente eram fáceis de obter, para ser ainda mais fácil. A verdadeira questão é toda sobre a sodomia, e normalizar – até mesmo abençoar – esse comportamento chamado pelo catecismo de «intrinsecamente desordenado». A seguir, tentarei «ligar os pontos» para esclarecer o quadro maior.

Lembre-se que não. 50 do primeiro esboço do documento para o primeiro sínodo sobre a família, em outubro de 2014, afirmou que «os homossexuais têm dons e qualidades para oferecer à comunidade cristã», e depois perguntou se as nossas comunidades são «capazes». . . aceitar e valorizar sua orientação sexual « – implicando que aqueles que praticam comportamentos homossexuais têm» dons e qualidades «especiais acima de todos os demais, e que sua atração pelo mesmo sexo – chamada pelo Catecismo» objetivamente desordenada « – deveria ser «aceita e valorizada». . .»(1)

Embora essa linguagem nunca tenha aparecido em Amoris Laetitia (AL), o fato de ter sido inserida em um documento de trabalho preliminar com a aprovação do Papa Francisco e depois lida para os bispos reunidos em sua presença é mais revelador. Esta linguagem fornece uma chave para entender como o Capítulo 8 de AL foi interpretado, de modo a permitir que não somente aqueles em segundo casamento civil (e cometer adultério) sejam admitidos na Santa Comunhão, mas também aqueles nas mesmas uniões do mesmo sexo (e engajar-se na sodomia) – contanto que sejam «acompanhados» por um sacerdote, engajem-se no «discernimento» e sigam sua «consciência»”.(2)

Esta agenda homossexualista continuou a ser impulsionada por aqueles que participaram de um «sínodo secreto» realizado em maio de 2015 na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, cujo objetivo era persuadir aqueles que participaram do segundo sínodo sobre a família. aceitar as uniões entre pessoas do mesmo sexo, dispensar o termo «intrinsecamente mau» e introduzir uma «teologia do amor» controversa.(3) Como relatou o correspondente do National Catholic Register, Edward Pentin, sobre essa assembléia:

Cerca de 50 participantes, incluindo bispos, teólogos e representantes da mídia, participaram do encontro, a convite dos presidentes das conferências episcopais da Alemanha, Suíça e França – o cardeal Reinhard Marx, o bispo Markus Büchel e o arcebispo Georges Pontier. Um dos principais tópicos discutidos na reunião a portas fechadas foi como a Igreja poderia dar as boas-vindas àqueles que estão em uniões estáveis ​​de pessoas do mesmo sexo, e supostamente «ninguém» se opunha a que essas uniões fossem reconhecidas como válidas pela Igreja.(4)

Esta agenda foi dada voz durante o segundo sínodo sobre a família em outubro de 2015 pelo arcebispo de Chicago Blase Cupich, que tinha sido escolhido pelo Papa Francisco para ser um delegado papal no sínodo. Quando perguntado por repórteres da Cidade do Vaticano sobre a Divina Comunhão para o divórcio e recasamento civil, Cupich disse que isso era possível se eles tivessem «tomado uma decisão em consciência», e enfatizaram que «consciência era inviolável» e «nós temos que respeitar isso». tomando decisões.

Cupich foi então questionado sobre o «acompanhamento» de casais homossexuais no recebimento da Sagrada Comunhão, ao que ele respondeu: «Os gays também são seres humanos; eles têm uma consciência, e meu papel como pastor é ajudá-los a discernir qual é a vontade de Deus, observando o ensino moral objetivo da Igreja». Mas ele continuou dizendo que «ao mesmo tempo», O papel de pastor é ajudá-los «através de um período de discernimento, para entender a que Deus os está chamando naquele momento, então é para todos». Ele acrescentou: «Temos que ter certeza de que não classificaremos um grupo como embora eles não façam parte da família humana, como se houvesse um conjunto diferente de regras para eles. Isso seria um grande erro.»(5)

Em outras palavras, se os que vivem em relações adúlteras podem, com a ajuda de seus pastores, discernir, de acordo com sua consciência, que devem receber a Sagrada Comunhão, o mesmo pode ser feito para casais do mesmo sexo que praticam a sodomia. . . Não há necessidade de se arrepender e resolver com firmeza a vida de alguém, «vá e não peques mais»; pode-se continuar no comportamento gravemente pecaminoso e ainda receber a Eucaristia.(6) Assim, a consciência reina suprema e a ordem moral objetiva não é mais.

É digno de nota que, depois de ter feito essas declarações, que foram amplamente citadas pelos meios de comunicação em todo o mundo, o Papa Francisco elevou Blase Cupich ao Colégio dos Cardeais.

Prelados de alto nível apoiando novo paradigma

Esta mesma interpretação do Capítulo 8 da AL foi confirmada por uma série de outros prelados de alto nível – alguns dos quais são cardeais muito próximos do Papa Francisco – nos meses e anos que se seguiram à publicação da AL. Aqui estão alguns exemplos notáveis.

Lembre-se que foi o cardeal alemão Walter Kasper, em um consistório de cardeais chamado pelo Papa Francisco em fevereiro de 2014, que inicialmente propôs permitir que os divorciados e se casassem novamente para receber a Sagrada Comunhão (a «proposta de Kasper»). Logo após o lançamento do AL, Kasper declarou que «parece claro. . . que pode haver situações de divorciados e recasados ​​onde o caminho da inclusão, da absolvição e da comunhão se torna possível»; e que a exortação «supera uma rígida abordagem casuística e abre espaço para a liberdade de consciência cristã»(7).

Ah, sim, e o apelo à consciência individual como o árbitro final da conduta de alguém pode, da mesma forma, aplicar-se àqueles em relacionamentos do mesmo sexo, para permitir que eles sejam admitidos na Eucaristia. Kasper diz isso em um novo livro que ele escreveu: A Mensagem de Amoris Laetitia: Uma Discussão Fraterna:

O papa não deixa margem para dúvidas sobre o fato de que casamentos civis, uniões de facto, novos casamentos após um divórcio (Amoris Laetitia 291) e uniões entre pessoas homossexuais (Amoris Laetitia 250s.) Não correspondem à concepção cristã de casamento»; no entanto, diz Kasper, o papa insiste que «alguns desses parceiros podem perceber de maneira parcial e análoga alguns elementos do casamento cristão» (Amoris Laetitia 292).(8)

O cardeal austríaco Christoph Schoenborn, a quem o papa Francisco chamou de «intérprete autoritário» de Amoris Laetitia, vê a AL como permitindo a sagrada comunhão para os divorciados e civilmente recasados.(9) Em uma entrevista durante o Sínodo da Família de 2015, ele pediu o reconhecimento de «elementos positivos» das uniões homossexuais, dizendo: «Nós podemos e devemos respeitar a decisão de formar uma união com uma pessoa do mesmo sexo, e buscar meios sob a lei civil para proteger sua vida junto com leis para assegurar tal proteção. «Schoenborn passou a criticar «moralistas intransigentes» entre seus colegas bispos, a quem ele acusou de ter uma « obsessão por intrínseca malum ». [males].»(10)

Em 2006, a catedral de Schoenborn, em Viena, ofereceu uma bênção para casais não casados ​​no Dia dos Namorados, que incluía parceiros homossexuais; e em 2016, o boletim da catedral de Schoenborn apresentava uma fotografia de dois homens e um filho adotivo, apresentando-os como «família» e como «casal».(11)

Em uma entrevista em 2016, o cardeal alemão Reinhardt Marx, presidente da Conferência dos Bispos da Alemanha e um dos nove conselheiros cardeais do Papa Francisco, disse que não se pode dizer que as relações entre pessoas do mesmo sexo não têm «valor»; que a Igreja deveria apoiar «regular» tais relações e que «[como] igreja não pode ser contra».(12) E em entrevista em janeiro de 2018, Marx disse que a Igreja em seu ensino sobre moralidade sexual não pode aplicar uma «Rigorismo cego»; que é «difícil dizer de fora se alguém está em estado de pecado mortal» – um princípio que, segundo ele, se aplica não apenas a homens e mulheres em «situações irregulares», mas também àqueles em relacionamentos homossexuais, porque ser um «respeito por uma decisão feita em liberdade» e à luz da própria «consciência»(13).

Em uma entrevista em 10 de janeiro deste ano, o bispo Franz-Josef Bode, vice-presidente da Conferência Episcopal Alemã, fez notícia mundial ao pedir uma bênção aos casais homossexuais: «Temos que refletir sobre a questão de como avaliar, de maneira diferenciada, uma relação entre duas pessoas homossexuais. . . . Não há tanto positivo e bom e certo que tenhamos que ser mais justos?»(14)

E apenas algumas semanas depois, notícias do mundo todo citavam o cardeal Marx apoiando seu colega Bispo Bode em pedir bênçãos para casais do mesmo sexo, dizendo que a decisão deveria ser tomada pelo «pastor no terreno, e o indivíduo sob cuidado pastoral».(15) e que tal bênção poderia ser realizada publicamente de forma «litúrgica».(16)

Assim, os membros da hierarquia da Igreja, embora reconhecendo que as uniões homossexuais não são o «ideal», passaram agora de considerar os elementos «positivos» de tais relacionamentos para «abençoá-los», e (como parece) irão compor. um novo rito litúrgico que (pelo menos por enquanto) reconhece que, embora não seja «casamento» no sentido técnico, é uma forma legítima e alternativa de relacionamento que devemos «valorizar».

O que se perde aqui é que abençoando uniões do mesmo sexo, um na realidade está abençoando o comportamento gravemente pecaminoso e «intrinsecamente desordenado» que o acompanha, um pecado que, de acordo com a palavra revelada de Deus e o constante ensinamento da Igreja durante todo o tempo. idades, «clama ao céu por vingança».(17) Como o arcebispo Charles Chaput, de Filadélfia, sabiamente observou em resposta a essa proposta de bênção: «Qualquer 'rito de bênção' cooperaria em um ato moralmente proibido»; além disso, abençoar tal relacionamento seria, na verdade, pouco caridoso, porque encorajaria as pessoas a continuar vivendo em um estado de grave pecado que os prejudica espiritualmente. Chaput prosseguiu dizendo: «Não existe amor – não há caridade – sem verdade, assim como não existe verdadeira misericórdia separada de uma estrutura de justiça informada e guiada pela verdade»(18).

Gerhard Cardeal Mueller, ex-prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, reconheceu essas tentativas de redefinir os perenes ensinamentos morais da Igreja afirmando que eles representam um «desenvolvimento de doutrina» e uma «mudança de paradigma», pelo que eles realmente são.: a heresia do modernismo.(19)  O colunista Ross Douthat do NY Times concluiu praticamente o mesmo, observando que com Amoris Laetitia, o Papa Francisco e outros querem que o ensinamento moral da Igreja se adapte às normas culturais modernas.(20)

O verdadeiro objetivo da Amoris Laetitia

Chame isso de modernismo, chame-o de corrupção da doutrina, chame-o por qualquer nome que considere adequado. Eu afirmo que ganhar aprovação moral para o comportamento homossexual é o objetivo real de Amoris Laetitia, e que é precisamente por isso que o ensinamento da Humanae Vitae e da Lei Natural deve ser deixado de lado, isto é: que pelo desígnio de Deus, existe um elo inseparável entre os significados unitivo e procriativo do ato conjugal, e que o significado unitivo é subordinado ao fim primário: a procriação. Como John Kippley, fundador da Liga Casal-Casal, argumentou, se o significado procriativo pode ser eliminado do ato conjugal, então é efetivamente deixado sem nenhum argumento contra a sodomia. E aqueles que promovem a agenda sodomita sabem disso.

Eles sabem que eles também devem descartar a noção de complementaridade física e emocional dos sexos,(21) bem como o conceito de mal moral intrínseco – que na verdade significa que eles devem derrubar toda a ordem moral. Isso explica por que eles estão agora pedindo a remoção da linguagem no Catecismo, que afirma que a atração pelo mesmo sexo é «objetivamente desordenada», e que atos homossexuais «são atos de grave depravação» que são «intrinsecamente desordenados» e «contrários». à lei natural «precisamente porque» fecham o ato sexual ao dom da vida ´e´ não procedem de uma genuína complementaridade afetiva e sexual»(23).

Isso também explica porque, há mais de um ano, ouvimos falar em «reexaminar» o ensinamento da encíclica de 1968 do Papa Paulo VI. Aqueles que desejam lançar a Humanae Vitae na lixeira agora estão mostrando sua mão. Testemunha Maurizio Chiodi, que foi recentemente nomeado pelo Papa Francisco para a Academia Pontifícia da Vida. Embora São João Paulo II, em sua encíclica Veritatis Splendor (n. 80) de 1993, inclua especificamente a contracepção em uma lista de atos que são «intrinsecamente maus», pe. Chiodi, em uma palestra de 14 de dezembro de 2017 na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, «Humanae Vitae à luz de AL», argumentou exatamente o oposto: baseado na linguagem de Amoris Laetitia.em relação à consciência, «um método artificial para a regulação dos nascimentos poderia ser reconhecido como um ato de responsabilidade que é realizado, não para rejeitar radicalmente o presente de uma criança, mas porque, nessas situações, a responsabilidade chama o casal e a família para outras formas de acolhimento e hospitalidade. «Para sustentar seu argumento, Chiodi diz que Amoris Laetitia não faz «referência explícita» à contracepção como « intrinsecamente má», acrescentando que «teria sido muito fácil fazê-lo, dada a Veritatis Splendor ».(24)

Chiodi foi seguido pelo cardeal Kasper, que em seu novo livreto, A mensagem de Amoris Laetitia: Uma discussão fraterna, implica que AL abre a porta para o uso da contracepção. Kasper diz que, em sua exortação, o papa apenas «encoraja o uso do método de observar os ciclos da fertilidade natural» e «não diz nada sobre outros métodos de planejamento familiar e evita todas as definições casuísticas»(25).

Mais argumentos para permitir a exclusão do fim procriativo da atividade sexual certamente virão daqueles que buscam a aprovação do comportamento homossexual, porque sabem que não podem ter sucesso enquanto os ensinamentos da Humanae Vitae e da Lei Natural se mantiverem.

Na humilde opinião deste escritor, o fato de cardeais e bispos da Igreja estarem argumentando que não apenas os divorciados e civilmente recasados, mas aqueles nas uniões homossexuais, deveriam ser admitidos na Sagrada Comunhão, e que os ensinamentos da Humanae Vitae deveriam ser postos de lado, revela que eles perderam a virtude teológica da fé. As palavras da Epístola aos Hebreus descrevem adequadamente seu triste estado:

Pois é impossível para aqueles que uma vez foram iluminados, que ambos provaram o dom celestial e se tornam participantes do Espírito Santo,. . . e depois se afastaram, para serem novamente renovados para o arrependimento; desde que eles crucificam novamente para si o Filho de Deus e fazem dele um escárnio. Pois a terra que bebe na chuva que freqüentemente cai sobre ela, e produz vegetação que é útil para aqueles por quem ela é cultivada, recebe uma bênção de Deus; mas aquilo que produz espinhos e cardos é inútil, e é quase uma maldição, e seu fim é queimado(Hb 6: 4-8).

Como devem os fiéis – bispos, sacerdotes, religiosos e leigos – responder a esses ataques perversos a Deus e ao Seu belo plano para a autêntica expressão do amor, a transmissão da vida humana, a santidade do matrimônio e da família? Este ano marca o 50.º aniversário da Humanae Vitae, e oferece assim uma oportunidade de ouro para comemorar e dar a conhecer melhor o ensino em Bl. A encíclica marco de 1968 de Paulo VI. Temos também o magistério de São João Paulo II – não apenas Veritatis Splendor, mas a sua «Teologia do Corpo». Este ano, vamos, ajudados pela graça do Espírito Santo e a intercessão de Nossa Senhora, valentemente proclamar o esplendor da verdade deste ensinamento e, assim, montar uma defesa forte e inabalável. contra todos e quaisquer que o atacarem.


______________ 

(1) https://www.lifesitenews.com/news/reporters-criticize-vatican-for-dropping-welcoming-language-in-new-english (16 de outubro de 2014).

(2) Veja nos AL. 300-305 e nota de rodapé 351.

(3) https://www.lifesitenews.com/news/new-academy-for-life-member-uses-amoris-to-say-some-circumstances-require-c (8 de janeiro de 2017).

(4) http://www.ncregister.com/daily-news/confidential-meeting-seeks-to-sway-synod-to-accept-same-sex-unions (26 de maio de 2015).

(5) http://www.ncregister.com/daily-news/abp-cupich-conscience-decides-whether-divorced-remarried-and-homosexual-cou (16 de outubro de 2016). Em seu discurso em 9 de fevereiro de 2018 no St. Edmund's College, em Cambridge, Inglaterra, «Revolução da Misericórdia do Papa Francisco: Amoris Laetitia como um novo paradigma da catolicidade», o cardeal Cupich insistiu que «a voz da consciência. . . poderia muito bem afirmar a necessidade de viver a certa distância do entendimento da Igreja sobre o ideal» – uma compreensão de consciência que pode ser aplicada igualmente aos divorciados e civilmente recasados ​​engajados em conduta adúltera, e àqueles em uniões do mesmo sexo engajados em sodomia.

(6) Como padre e confessor, se um penitente me disser que é sexualmente ativo em um casamento inválido ou em um relacionamento do mesmo sexo, mas insiste que ele planeja continuar seus atos pecaminosos, sou obrigado a tentar levá-lo a uma realização que sua opinião subjetiva a respeito de sua conduta não pode anular a lei moral objetiva e o claro ensinamento de Cristo; e que tenho que seguir minha consciência e suspender a absolvição se ele não estiver disposto a resolver com firmeza sua vida. Se o penitente persistir em dizer que não acredita que esteja cometendo um pecado, eu teria que lhe dizer: «Então não tenho nada para absolvê-lo»; e então pergunte a ele: «Por que você está aqui no confessionário pedindo para ser absolvido de um curso de conduta que você não acredita ser pecaminoso?».

(7) https://www.lifesitenews.com/news/cardinal-kasper-seems-clear-exhortation-allows-communion-for-divorced-remar (18 de abril de 2016).

(8) https://www.lifesitenews.com/news/cardinal-kasper-homosexual-unions-are-analogous-to-christian-marriage (14 de março de 2018). No folheto, Kasper compara essas uniões irregulares com a relação entre a Igreja Católica e grupos cristãos não-católicos, que o Vaticano II diz conter «elementos de santificação e verdade» da Igreja. Kasper insiste que «Assim como fora da Igreja Católica existem elementos da verdadeira Igreja, nos sindicatos acima mencionados podem haver elementos presentes no casamento cristão, embora eles não cumpram completamente, ou ainda não preencham completamente, o ideal. NB: Christoph Cardeal Schoenborn fez este mesmo argumento no Sínodo da Família de 2014 – veja nota de rodapé 10 abaixo.

(9) https://www.lifesitenews.com/news/pope-says-schonborn-interpretation-on-communion-for-remarried-is-the-final (6 de abril de 2016). Esta posição não é nova para Schoenborn. No Retiro Internacional dos Sacerdotes realizado em Ars, França, em 2009, durante o Ano Sacerdotal proclamado pelo Papa Bento XVI, o Cardeal Schoenborn entregou a maioria das meditações diárias, que foram, no geral, muito inspiradoras. Mas, quando o retiro chegou ao fim, o Cardeal anunciou que usaria sua última palestra de retiro para abordar temas de interesse e convidou os padres a enviar perguntas. Durante sua última palestra, Schoenborn abordou a questão da Comunhão para os divorciados e que se casaram novamente civilmente. Para surpresa e choque dos 1200 padres presentes.

(10) https://www.lifesitenews.com/news/cardinal-schoenborn-at-synod-church-should-embrace-positive-elements-of-gay (14 de setembro de 2015). Este artigo observa que no Sínodo de 2015, Schoenborn «propôs uma chave interpretativa» para revolucionar a abordagem da Igreja à vida familiar e ética sexual, examinando a constituição dogmática do Vaticano II sobre a Igreja, Lumen Gentium, que afirma: «Embora muitos elementos de santificação e da verdade são encontrados fora de sua estrutura visível. Esses elementos, como presentes pertencentes à Igreja de Cristo, são forças que impulsionam a unidade católica [LG 8]. «Schoenborn argumenta que «Porque o casamento é uma Igreja em miniatura», e assim como a Igreja procura encontrar elementos de verdade em diferentes religiões.

(11) https://onepeterfive.com/schonborns-vienna-cathedral-bulletin-depicts-homosexual-couple-adopted-son/ (6 de outubro de 2016).

(12) https://www.lifesitenews.com/opinion/cardinal-reinhard-marx-vs.-cardinal-and-saint-peter-damian-do-homosexual-un (28 de janeiro de 2016).

(13) https://onepeterfive.com/push-for-greater-acceptance-of-homosexual-unions-continues-in-german-church/ (19 de janeiro de 2018). Esta entrevista apareceu no jornal católico alemão Herder Korrespondenz, e o site oficial dos bispos alemães imediatamente relatou a declaração de Marx.

(14) Ibid.

(15) http://catholicherald.co.uk/news/2018/02/04/cardinal-marx-suggests-church-should-bless-gay-couples/ (4 de fevereiro de 2018).

(16) https://www.lifesitenews.com/news/one-of-popes-9-advisor-cardinals-proposes-liturgical-blessings-of-homosexua (4 de fevereiro de 2018).

(17) Cf. Gn 18:20; Catecismo da Igreja Católica, não. 1867.

(18) https://www.lifesitenews.com/news/german-cardinal-liturgical-blessing-for-gay-unions-truly-seems-sacrilegious (8 de fevereiro de 2018).

(19) https://www.firstthings.com/web-exclusives/2018/02/development-or-corruption (20 de fevereiro de 2018).

(20) Ver o novo livro de Douthat, Mudar a Igreja: o Papa Francisco e o Futuro do Catolicismo (Simon & Schuster, 2018).

(21) CCC 2333.

(22) CCC 2368.

(23) CCC 2357.

(24) https://www.lifesitenews.com/news/new-academy-for-life-member-uses-amoris-to-say-some-circumstances-require-c (8 de janeiro de 2017). Como Diane Montagna relata neste artigo, «pe. A palestra de Chiodi foi apresentada por um dos principais organizadores da série da conferência, o padre jesuíta argentino Humberto Miguel Yanez. Pe. Yanez é o diretor do Departamento de Teologia Moral da Universidade Gregoriana. Sabe-se que Yanez está próximo do papa Francisco e, de fato, Bergoglio era superior hierárquico de Yanez como jovem jesuíta. Em maio de 2015, o Padre Yanez participou do 'sínodo secreto' no Gregoriano» (como discutido acima).

(25) https://www.lifesitenews.com/news/cardinal-kasper-homosexual-unions-are-analogous-to-christian-marriage (14 de março de 2018).






domingo, 8 de julho de 2018

A hipocrisia do encobridor Bergoglio



Elizabeth Yore
es una abogada internacional por la defensa del niño, quien investigó
casos de abuso sexual eclesiástico.

ANATOMÍA DEL ENCUBRIMIENTO:

CARTA ABIERTA AL PAPA FRANCISCO

Yo fui parte del problema‘, papa Francisco a las víctimas de abuso de Chile.


Su Santidad,

No. Usted no es parte del problema… usted es el problema. Usted nombró y elevó al protector de un depredador. Usted lo protegió incondicionalmente durante tres años, a pesar de la enorme evidencia en favor de su remoción del obispado y del ministerio sacerdotal.

Usted reprimió e ignoró el tsunami de pedidos, súplicas y evidencias sobre la complicidad del obispo Juan Barros y su involucramiento con el sacerdote depredador, el P. Fernando Karadima. En 2011, Karadima fue removido de sus deberes sacerdotales y desterrado a una vida de penitencia tras ser encontrado culpable por la Congregación para la Doctrina de la Fe del Vaticano.

Usted se burló de su propia «política de tolerancia cero.»

Su arrogancia y clericalismo le impidieron ver las súplicas evidentes y prolongadas de las víctimas de abuso de Karadima y Barros.

Como astuto Papa dictador, usted despreció desdeñosamente las protestas de Chile.

Usted creyó que amenazar y ridiculizar a las víctimas haría que se callen. Después de todo, sus tácticas intimidatorias dieron resultado a lo largo de sus años como obispo y cardenal en Buenos Aires. Tal como le dijo a su amigo, el rabino Skorka, en el libro Sobre el Cielo y la Tierra, «En mi diócesis jamás ocurrió (acusaciones de abuso sexual eclesiástico).»

Allí no sucedía, dice Bergoglio.

Sin embargo, los medios de comunicación de Argentina estaban repletos de docenas de casos de abuso sexual eclesiástico durante los años en que Bergoglio fue obispo y cardenal en Buenos Aires.

Así que utilizó sus tácticas de encubrimiento, utilizando sus clásicas desmentidas e insultos para el escándalo de Barros.

Y casi se sale con las suyas.

Excepto por una fotografía…

Usted juzgó equivocadamente a las víctimas de Karadima/Barros. Las víctimas de abuso sexual eclesiástico son de las más quebradas y traumatizadas víctimas de abuso sexual. Rara vez poseen la perseverancia y la fuerza para desafiar la burocracia de la Iglesia, especialmente la jerarquía Vaticana, y el mismo Papa.

Usted pensó arrogantemente que si los atacaba verbalmente, los llamaba ‘calumniadores’, e ignoraba sus protestas, ellos desaparecerían, como la mayoría de las víctimas de abuso sexual eclesiástico. En el pasado le funcionó, cuando era cardenal en Buenos Aires. Mejor aún, ahora es usted el poderoso Papa, el Vicario de Cristo.

Y sin embargo juzgó erróneamente a estos sobrevivientes de Karadima. Estos hombres están dañados, pero de pie. No fueron intimidados por su infame mal carácter y desatinadas burlas. Estos hombres han sobrevivido el peor abuso imaginable y no iban a ser silenciados por sus repetidas amenazas vacías y viciosos ataques verbales.

Jamás esperó que las víctimas de Karadima/Barros lo superaran. A pesar del vicioso abuso que sufrieron, estos hombres son inteligentes, persistentes. Tienen poder; se llama Verdad.

Ellos sabían que necesitaban pruebas demostrables de que usted, papa Francisco, estaba al tanto de los alegatos específicos del horrendo abuso del padre Karadima mientras el obispo Barros miraba y no hacía nada. Imagine el enojo y el estupor de estas víctimas frente al sacerdote que miraba el abuso y no hacía nada. Nada. ¿Imagine su furia cuando se enteraron que usted honraba y elevaba a Barros como obispo de Osorno?

Usted fue arrinconado cuando el mundo vio la fotografía con el sobre de Juan Carlos Cruz, que detallaba su sufrimiento por el abuso del padre Karadima. Con la evidencia fotográfica y la documentación entregada al cardenal Sean O’Malley de manos de Marie Collins en abril 2015 ¡lo atraparon!

Lo arrinconaron cuando el cardenal O’Malley dijo a las víctimas que la carta de Juan Carlos Cruz había sido entregada al papa Francisco.

Pasarían casi tres años hasta que la fotografía se hiciera pública para que el mundo viera que usted recibió la evidencia, la sórdida evidencia de la incompatibilidad de Barros para cualquier rol clerical.

Debajo está la línea de tiempo con su encubrimiento. Establece incontrovertidamente que usted tenía el conocimiento sobre la conducta reprensible e inadecuada de Juan Barros. Usted condujo una campaña mediática personal y pública para destruir toda crítica contra el obispo Barros. Usted defendió personalmente a Barros y vituperó a las víctimas de Barros. Su propia Congregación para la Doctrina de la Fe (CDF) investigó que este caso tenía toneladas de archivos y documentos sobre Karadima y el obispo Barros. Usted se negó a escuchar a todo aquel que tuviera los datos y la verdad.

El Caso Contra Francisco

Este es el caso contra el papa Francisco por ignorar y no adherirse a su propia política de tolerancia cero:

31 de ene., 2015 Carta de la Conferencia Episcopal de Chile al Vaticano protestando por el nombramiento del obispo Barros. – Ignorada y Ocultada.

Feb. 2015 Un mes después, más de 1300 católicos de Osorno, junto con unos 30 sacerdotes diocesanos y varios miembros del parlamento chileno enviaron una carta al papa Francisco suplicando que cancele el nombramiento del obispo Barros planeado para el 21 de marzo de 2015. La carta fue entregada al papa Francisco, sin embargo el nombramiento no fue cancelado por Francisco. Como más tarde aprendieron los católicos de Osorno, la política interna de la Iglesia triunfa sobre la voluntad del pueblo.

Ignorados y Reprimidos

3 de feb., 2015 – Juan Carlos Cruz entregó una carta al embajador del Vaticano objetando el nombramiento del obispo Barros, detallando la protección de Barros al padre Karadima. – Ignorada y ocultada.

21 de mar., 2015 – Protesta en la misa de asunción de Barros – los medios de comunicación mundiales cubrieron la masiva protesta de los católicos chilenos por el nombramiento de Barros. – Ignorada y reprimida.

31 de mar., 2015 – El Vaticano de Francisco defiende públicamente al obispo Barros, diciendo que «examinaron cuidadosamente la candidatura del prelado y no encontraron razones objetivas para impedir el nombramiento.» – Ignorados y Reprimidos.

Abril 2015 – Miembros de la Comisión Pontificia para la Protección de Menores relata que en abril 2015, enviaron una delegación a Roma para entregar personalmente al Papa una carta sobre Barros. Marie Collins entregó la carta al cardenal O’Malley, se le tomó una foto, y O’Malley admitió haberle dado la carta a Francisco. – Ocultada e ignorada.

Ver também o Link: http://www.vidanuevadigital.com/2017/12/16/la-comision-la-proteccion-los-menores-baraja-nombres-renovacion/

Mayo 2015 – Surge un video de los chilenos en la plaza de San Pedro suplicando personalmente al papa Francisco que anule el nombramiento de Barros: en el video, el papa Francisco se enoja y los llama ‘estúpidos.’ – Reprimidos e ignorados.

Mayo 2015 – La Corte Suprema de Chile envía una citación al Vaticano por información sobre el obispo Barros. – Reprimida e ignorada.

Enero 2018 – Viaje papal a Chile. El papa Francisco defiende nuevamente el nombramiento de Barros en la conferencia de prensa en el avión.
El papa Francisco dijo que «El día que me traigan una prueba contra el obispo Barros, ahí voy a hablar. No hay una sola prueba en contra. Todo es calumnia ¿Está claro?» También dijo: «No han venido, no se han presentado, no han ofrecido la evidencia en un juicio. Ha quedado todo en el aire.» «El caso del obispo Barros lo hice estudiar, investigar, lo hice trabajar mucho. No hay evidencias de culpabilidad y, al parecer, no se van a encontrar.» – Suprimidas e ignoradas.

Enero 2018 – Vuelo papal del regreso al Vaticano…confrontado por un reportero de AP, el Papa dijo: «Yo nunca oí a una víctima de Barros. No vinieron, no dieron la evidencia.» – Suprimidos e ignorados.

Este autor ha investigado muchos casos de abuso sexual eclesiástico. Fui testigo de mentiras, amenazas, y tácticas de encubrimiento episcopal. No es nada nuevo ni particularmente complejo. Las tácticas de intimidación del papa Francisco demuestran los clásicos encubrimientos insidiosos de un obispo….el obispo de Roma.

Francisco fue forzado a rendirse y aceptar la derrota por la foto con el sobre, llena de sórdidos y violentos alegatos sobre un infame depredador que cazaba menores. El papa Francisco recibió «la evidencia y la prueba» de manos de su propio cardenal, el jefe de la Comisión para la Protección de Menores. Al papa Francisco le entregaron «la evidencia y la prueba» en abril 2015.

Cuando apareció la foto en febrero de 2018 se terminó el juego del encubrimiento papal.

Francisco ya no podía evadirlo.

Pensó que podía negar, reprimir, e ignorar las súplicas de las víctimas heridas, como había hecho tantas veces en Argentina.

Francisco, y solo Francisco, es personalmente y autoritariamente responsable por este encubrimiento despreciable.

Francisco negó repetidamente los alegatos, utilizando el poder y el prestigio del Santo Oficio papal, cubriendo la evidencia. Y cuando lo atrapan en su red de mentiras, ¿qué hace?

Ahora Francisco acusa y utiliza como chivo expiatorio a los 34 obispos chilenos de la Conferencia Episcopal Chilena, quienes originalmente habían protestado contra el nombramiento de Juan Barros.

La tolerancia cero es un tropo vacío, a menos que el papa Francisco renuncie avergonzado y pase el resto de sus años en penitencia por su fracaso en proteger a los niños chilenos y responder a las súplicas de los fieles católicos chilenos, las víctimas de abuso del clero, e incontables sacerdotes chilenos.

¿Qué más podían haber hecho las víctimas y los católicos chilenos para llamar la atención del Papa sobre este asunto? Utilizaron todos los medios humanamente posibles para detener este peligroso nombramiento. Como respuesta, Francisco se burló de ellos, los ridiculizó y los insultó repetidas veces. Qué Santo Padre.

Hasta aquí llegó la misericordia del Papa.

El Colegio Cardenalicio debiera reunirse inmediatamente y remover a Francisco, el obispo de Roma, por su grosera y grave negligencia y complicidad, desobedeciendo sistemáticamente y abusando de su propia política de tolerancia cero, provocando un escándalo de proporciones épicas en la Iglesia Católica global y en la Iglesia Católica chilena. En los lineamientos del nuevo Motu Proprio de Francisco sobre la Remoción de un Obispo, el estándar para la remoción «En el caso de abuso de menores o adultos vulnerables, es suficiente que la falta de diligencia sea grave.» § 3. Tres años de evasivas papales y encubrimiento es la definición de grave.

La línea de tiempo del encubrimiento de Francisco fácilmente demuestra la  evidencia arrolladora del incumplimiento pernicioso y excesivo del deber eclesiástico de asegurar la protección de los niños y la integridad moral del episcopado. Finalmente, ¿protegerán los príncipes de la Iglesia a los niños? ¿O continuarán temblando en sus mitras frente al Papa dictador?

Próximo capítulo: Continúa el encubrimiento…

Traducido por Marilina Manteiga. (Artículo original)